Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (1 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading ... Loading ...

Quem chega em um bar e pede uma lapada de cana talvez não imagine o rigoroso processo produtivo que há por trás da possibilidade de degustar essa bebida tão brasileira. Nas destilarias que adotam o processo industrializado, tudo é controlado, desde o preparo da terra para o plantio da cana-de-açúcar, até o transporte do produto final para as empresas responsáveis pelo envasamento e distribuição.

Cana-de-açúcar rumo a área industrial

Trabalhadores num canavial

Créditos: Efrem Binda

Depois de colhida, a cana-de-açúcar é transportada para a área industrial das destilarias. O processo é o mesmo independente do porte da empresa, variando apenas a quantidade de cachaça produzida. A primeira parada da cana é nas moendas, local onde o caldo é separado do bagaço.

De lá, o caldo segue para as dornas, que são grandes tanques de ferro onde é realizado o processo de fermentação. O fermento utilizado é semelhante ao comercializado para confecção de bolos, pães e outros produtos do gênero alimentício.

Concluída a etapa, separa tudo

Barris de cachaça

Créditos: João Braga

Concluída esta etapa, o vinho resultante da fermentação passa por uma turbina que o separa do fermento. O fermento volta para as dornas, tem seu Ph corrigido e é reutilizado. Já o vinho, segue para etapa final do processo nas colunas de destilação, onde é separada a aguardente da vinhaça, através de um processo de condensação do vapor de álcool resultante do aquecimento do vinho.

Como o álcool possui ponto de ebulição menor que o da água, ele é separado, capturado e, posteriormente, condensado em outra torre. Nasce aí a famosa Branquinha.

Indústrias aproveitam 100% da cana

Fábrica de cachaça

Créditos: Guerilla Historian

A produção de aguardente consegue utilizar 100% da cana-de-açúcar. Em uma destilaria de cachaça, nada se perde. Os restos da produção são utilizados como adubo e matéria-prima para o funcionamento das caldeiras que garantem a geração da energia necessária para o funcionamento da indústria.

Há duas etapas específicas da produção que geram resíduos a serem aproveitados. A primeira delas é a moagem. Para a produção de aguardente, é utilizado apenas o caldo da cana, e o bagaço é dispensado. Esse bagaço, a invés de se tornar lixo, é queimado na produção de vapor das caldeiras que garantem a auto-sustentabilidade das destilarias em termos de energia.

Em grandes empresas como a Destilaria Liberdade, em Pernambuco, a termelétrica que garante o abastecimento gera uma média de 3,2 megawatts/hora de potência (sendo que 1 megawatt é o equivalente a 1.000.000 watts).

O momento da destilação

Destilação da cachaça

Créditos: paraty.honey

O segundo momento é a etapa final, a destilação. A aguardente é separada do vinho e deixa para trás um composto líquido denominado no meio industrial como vinhaça, que é utilizado para fertiirrigação e complementa o adubo da terra onde será plantada a cana-de-açúcar. Em destilarias de grande porte, há ainda a possibilidade de ser produzido um excedente de bagaço que pode ser vendido e utilizado na produção de celulose (papel).

Mas nem tudo são flores

Fazenda com o canavial destruído

Créditos: Gerry de Caires

Mas nem tudo são flores na produção de cachaça. Ainda há um problema com o qual as empresas tem tido dificuldade de lidar: o desgaste do solo causado pelo plantio da cana-de-açucar. Além disso, as queimadas realizadas antes da colheita podem causar, com o tempo, erosão do solo e desertificação.

Uma das alternativas possíveis para lidar com essa questão seria a implantação de um sistema de rodízio de culturas, variando entre plantação de cana e de espécies leguminosas, que devolvem nitrogênio ao solo desgastado graças a ação de uma bactéria alojada em suas raízes. Mas essa preocupação infelizmente ainda não faz parte do dia-a-dia da maior parte das indústrias produtoras.

Sobre o Autor

Monaliza acordou um dia e decidiu se modernizar e entrar na faculdade de jornalismo e lá que aprendeu a beber. Acabou pobre, em uma redação de jornal e escrevendo sobre política. Hoje bebe para aceitar o fato de que a maior parte de suas fontes trabalha muito menos e ganha muito mais do que ela.