Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (5 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading ... Loading ...

Fala, Sedento!

Esta semana a Presidente Dilma assinou um acordo com o governo dos Estados Unidos, onde ambos reconhecem que a nossa tão querida cachaça é um produto genuinamente brasileiro, ou seja, bebidas destiladas de cana só podem ser vendidas como cachaça na Obamaland se forem fabricadas no Brasil. Em troca, reconhecemos que Bourbon e Tennessee são uísques “legitimamente americanos”.

Cachaça É TEEEEETRAAAAAA…

Dilma e Obama brindando

É nossa!

Para o Brasil, depois de dez anos de negociações, esta é uma decisão muito importante, já que os Estados Unidos são o terceiro maior mercado da cachaça brasileira, o maior mercado consumidor de destilados do mundo e têm grande influência na Organização Mundial do Comércio (OMC), o que pode facilitar a certificação da cachaça no mundo inteiro como produto genuinamente brasileiro.

Rum Brasileiro é o cacete, é Cachaça!

Isto ainda não acontece e queima o nosso filme lá fora. Sabia que nos Estados Unidos, por exemplo, a cachaça é conhecida por “Brazilian Rum” (rum brasileiro)? Por causa da forma de classificação das bebidas adotadas por lá, o nome deve ser de acordo com o seu produto de origem. Como cachaça e rum são ambos produzidos com cana, daí a heresia.

Garrafas de cachaça

Rum é o caralho, é cachaça

Créditos: Luiz Felipe Martins

Desde o ano 2000, as cachaças exportadas para os Estados Unidos foram obrigadas a estampar a ofensa “Brazilian Rum” em seus rótulos. Agora, o belo nome cachaça volta a aparecer e isso pode aumentar as vendas do produto naquele mercado. Sem a confusão de nomes o público não se engana.

Além disso, o rum tem proteção fiscal e a cachaça já entrava no mercado perdendo a briga por ser supertaxada e ser mais cara que os concorrentes. Agora a coisa vai ficar mais justa.

Vamos honrar a cachaça, ela merece

Depois de tudo isso, a influência para que consigamos a mesma decisão, junto à OMC e tenhamos o nome cachaça como exclusividade da bebida produzida no Brasil valendo para todos os países do mundo é grande e a nossa amada bebida terá a honra que merece.

O povo brasileiro ganha com isso?

Rapaz segurando copo cachaça

Ganhamos cachaça \o/

Créditos: Fausto Genaro

Tudo bem, mas o que isso tem a ver com você, que assim como seu amigo que vos escreve, vai na venda da esquina e compra a sua cachaça do mesmo jeito que sempre fez, é bem informado e provavelmente está me chamando de imbecil por dar notícia velha?

Absolutamente nada. Para quem está no Brasil, não muda preço, nome, lugar que vende ou a careta que se faz quando bebe cachaça ruim. A única e importante fonte de inspiração para eu escrever este texto e não contar mais uma das minhas histórias ou apresentar rankings e receitas, é o orgulho de ver algo tão representativo da nossa cultura receber todo o respeito que merece. Sim, todo o povo brasileiro ganha com esse reconhecimento.

Um presentinho pro Obama

Cachaça cravejada com jóias e diamantes

Queremos também dona Dilma

E o nobre presidente dos EUA ainda faturou uma garrafa de cachaça orçada em R$200 mil reais. Com apenas 60 unidades, a “cachaça mais cara do mundo” tem a garrafa com uma armação toda em prata e ouro e cravejada por 212 pedras preciosas (sendo 211 brilhantes e um diamante). Tá explicado porque é tão cara, a cachaça nem deve ser lá essas coisas, principalmente por que é uma edição especial da cachaça Velho Barreiro, a “Velho Barreiro Diamond“.

Todo respeito pela Velho Barreiro, mas é que 200 mil é meio foda :P

Finalizando

Agora falta organizarem o negócio por aqui e fazer uma classificação interna decente, com características do produto, região de onde saiu, aspectos da bebida e tal. Mas isso já é matéria pra outro artigo.

Até a próxima e não beba se for dirigir.

Sobre o Autor

Jeremy Joseph é o alterego de um publicitário blogueiro e petroleiro que apesar do nome "agringalhado", gosta da brasileiríssima cachaça (entre outras coisas), mulheres, noitadas, viagens, festas e de combinar isso tudo para escrever em uma coluna do Papo de Bar.

  • Jorge Murilo dos Santos

    Ainda bem que colocaram entre parenteses “cachaça mais cara do mundo”, porque na verdade deveria ser, garrafa mais cara do mundo! A melhor e mais cara cachaça do mundo chamasse Havana, e custa em média R$ 800,00 a garrafa, aqui no Brasil, produzida em Salinas/MG. Isto é que é gostar de fazer firula com dinheiro público, se o assunto era reconhecer uma das coisas que temos e fazemos de melhor, um produto genuinamente brasileiro, porque não o presenteou com nossa melhor cachaça a Havana? Porque não pegava bem presentear Obama com uma cachaça que é inclusivamente exportada para vários países em sua garrafa original, simples, por preservar a tradição, um dos pontos forte do produto. Então esbanja nosso dinheiro num produto que vende a garrafa, não o conteúdo, servido assim de mero adorno e ostentação! Hipocrisia pura, vai lá se dizendo defender o que é nosso, mas se mostra como quem não conhece nada sobre o assunto, se a intensão era dar presente caro, com esse valor poderia ter dado algo bem melhor. Dilma como a maioria dos brasileiros é fútil, valoriza a aparência, o exterior das coisas, e não o conteúdo! E se Obama entender um pouquinho de cachaça, terá percebido isso!

    • Jorge Murilo dos Santos

      É pessoa,l a Dilma não deve conhecer nada de cachaça, e eu nada de português, em especial pontuação, no meu post acima, chamei aspas de parenteses, peço desculpas pela falha e confusão!

    • Mateus Thessing

      Cara, faço das suas…as minhas palavras.

  • thiago pires

    Legal a postagem. Descobri este blog agora e gostei da “prosa”. Aproveito para convidá-los a passar no http://www.musicachaca.blogspot.com e ver meu ponto de vista sobre o assunto. Saúde!