Alice viajando no país das maravilhas

“O conto de fadas Alice no País das Maravilhas visto de uma forma etílica e meio transtornada...”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (5 votes, average: 8.20 out of 10)
Loading...

Era uma vez, uma menina de nome Alice, que curtia muito a vida, adorava sair, ir à balada, bares…. Durante um final de semana desses, seus amigos organizaram uma reuniãozinha na casa de um deles e ela se sentiu intimada a comparecer. Ela queria sair e encher a cara, mas com todos os amigos envolvidos na tal reunião, ela colocou um vestido qualquer e foi.

Chegando lá, foi o que sempre acontece nessas reuniões. Um social, bebidas e comidas, um (ou mais) bêbado, aquela nostalgia batendo conforme eram lembradas histórias do passado da galera e o povo começou a ir embora. Ao final restaram poucos e bons. Como já era tarde para Alice sair para uma noitada, ela resolveu ficar mais um pouco.

A turma se reuniu na varanda, pegaram um baralho, sentaram-se à mesa e começaram a decidir quem jogaria com quem. O jogo era Buraco que Alice detestava, apesar de saber jogar. Ela estava meio de ressaca da balada do dia anterior e não estava bebendo muito, só uma cervejinha ou outra. Sendo assim, meio entediada com a situação, a menina resolveu fumar um baseado e ver se o jogo ficava mais interessante.

Acendeu, puxou, tentou passar, mas ninguém queria e ela aproveitou e fumou tudo sozinha, enquanto o jogo de buraco rolava. Carta vai, carta vem e as jogadas pareciam se demorar cada vez mais. Para ela decidir se compraria da mesa ou do bolo de cartas fechadas, era uma eternidade e ao comprar, ficava o que pareciam horas para jogar outra carta fora. Pobre Alice!

A onda bateu!

Alice in Wonderland MDMA

Ao jogar a última carta de sua mão na mesa e vencer o jogo, Alice queria comemorar, mas em seu estado ‘meio lenta’, resolveu ir ao banheiro. Entrou, jogou um pouco de água no rosto e sentindo-se meio sonolenta, sentou-se para respirar. Olhando fixamente para o rodapé da porta, Alice viu surgir um coelho branco.

WTF?!

O coelho que tinha cara de gente boa, chamava a menina e gritava que já era tarde! Muito tarde! Ela, sem hesitar, o acompanhou e quando deu por si, estava caindo num buraco sem luz e sem fim. Rumo a escuridão, Alice fechou os olhos e deixou-se cair, enquanto curtia a sensação de liberdade que nunca antes havia sentido.

Ao alcançar o chão, algo que até há pouco ela não via, Alice estava de pé num gramado enorme, seguindo o tal coelho que passou por uma porta mínima e a deixou sozinha. Ela não ficaria por ali e daria um jeito de passar pela porta, que nesse momento só permitiria que uma perna da menina avançasse ao outro lado.

Ela olhou ao redor e avistou uma lata de ervilhas com ketchup que tinha em rótulo a orientação: Me coma! De imediato bateu aquela larica e Alice começou a devorar as ervilhas. Após algumas colheradas ela se deu conta que estava encolhendo e já conseguia passar pela porta para seguir o misterioso coelho. Ao atravessar, a menina estava num local que parecia uma floresta muito colorida, com diversas espécies de plantas e flores que cantavam. Cantavam!? Sim! Ela ficou admirada, escutando as músicas e quando o silêncio imperou no ambiente, Alice sentiu-se triste e se pôs a chorar. As flores perguntaram porque ela chorava e ouviram a explicação sobre o encolhimento de Alice.

alice bêbada

  • – Siga em frente, menina Alice! Em seu caminho a solução para seu problema estará. Disseram as flores.

Alice começou sua caminhada pela floresta e depois de algum tempo andando, ela reparou um bichinho verde, em cima de um cogumelo amarelo. Já que coelhos falavam e flores cantavam, porque um bichano não poderia responder uma pergunta?!

  • – Olá, amiguinho! Como faço para crescer e retomar meu tamanho natural? Perguntou Alice.
  • – Essa é fácil! Coma um pequeno pedaço desse cogumelo e tudo estará resolvido. Mas só do lado de lá! Advertiu o bicho.
  • – Do outro lado, você diminuirá ainda mais.

Alice sentiu-se grata, pegou um pedaço do lado que a faria crescer e começou a mastigar e só para garantir uma eventual alteração de tamanho futura, ela levou mais 2 pedaços do cogumelo no bolso, um para crescer e outro para diminuir.

Seguindo sua caminhada sem rumo definido, Alice se deparou com um gato risonho que estava flutuando. Ela nem achou estranho e foi logo perguntando:

alice caminhos

  • – Que caminho devo seguir?
  • – Mas para onde deseja ir? Questionou o gato.
  • – Não sei! Respondeu a menina.
  • – Seguindo reto, você encontra uma árvore que poderá orientá-la. À direita, você entrará na casa da Lebre de Março e à esquerda, você encontrará o meu amigo Chapeleiro. De qualquer maneira, ambos são malucos!

Diante de tantas coisas novas em sua mente, Alice não pensou muito e foi para o lado esquerdo, dando de cara com o tal Chapeleiro Maluco que tomava chá e jogava cartas com um animal que parecia a tal Lebre de Março e um soldado com roupas rasgadas. Ela chegou perto, deu um sorriso que foi retribuído pelo Chapeleiro, que fez sinal para que ela se juntasse a eles. Ela sentou-se e aceitou de bom gosto, o chá servido que, aliás, cheirava muito bem!

Ela sentou-se de frente para o Chapeleiro e enquanto degustava o chá de sabor indefinido, mas gostoso, ela começou a conversar com eles. O soldado embaralhou as cartas e as distribuiu e avisou que Alice começava. A menina contou as cartas, viu que tinham onze em sua mão e logo identificou o jogo e quem era seu parceiro. Ela e o Chapeleiro maluco deveriam vencer a dupla adversária e Alice tentaria voltar ao seu mundo.

Cartas vão, cartas vêm…

baralho alice

E o jogo seguia praticamente empatado ao fim de algumas partidas. Ao darem início a partida que definiria a dupla campeã, Alice viu que seu jogo estava muito bom, mas a outra dupla começou com tudo e já na primeira mão, colocaram uma canastra de Copas que valia 200 pontos e já tinha nove cartas. Duas rodadas mais tarde, eles aumentaram a sequência e tinham um jogo que se iniciava no Ás e ia até o Valete.

Alice e o Chapeleiro também tinham seus truques e conseguiram duas canastras de 200 pontos cada, uma de espadas e outra de paus. Segue o jogo! Alice está a ponto de bater, quando compra duas cartas em sequência e elas são duas Rainhas de Copas! Exatamente a carta que falta para a outra dupla dar sequência em seu grande jogo e completar mil pontos, já que ela sabia que o Rei e o outro Às de Copas, estavam nas mãos de seus oponentes.

Parando de beber seu chá e pedindo uma água, para espanto geral na mesa, Alice começa a comprar todas as cartas da mesa para não precisar se desfazer de seu jogo e dar de bandeja a grande vilã de seu jogo, Rainha de Copas. A menina juntava cartas, pensava e arquitetava uma jogada que acabasse com o jogo e desse a vitória a sua dupla. Em algumas rodadas, ela já tinha toda a continuação de uma canastra que lhe garantiria mil pontos, com exceção da Rainha de Espadas.

Seu parceiro, o Chapeleiro, ficava fazendo maluquices e parecia não estar nem aí para o jogo. Ela, então, tomou a decisão e colocou suas cartas na mesa, completando a sequência até o Valete e continuando na expectativa de comprar a desejada Rainha de Espadas. Só com sua ação, ela ficou apenas com o Rei e o Ás de Espadas, além de suas duas Rainhas de Copas em sua mão.

Um clima tenso se instalou na mesa, já que o soldado e a Lebre de Março não esperavam esse jogo e por mais que tentassem, seguiam sem conseguir a Rainha de Copas. Em sua vez de jogar, o Chapeleiro continuou com sua cara de maluco, olhou para todos os jogadores à mesa e fazendo um certo charme para abaixar suas cartas, ele abriu dois novos jogos, sendo um deles 9, 10 e Valete de Copas e ainda encaixou a linda Dama de Espadas no outro.

Pronto!

alice apenas sonhando

Alice se encheu de expectativa, pois estava praticamente batida, faria os mil pontos que a levariam a vitória! O soldado jogou, fez mais uma canastra de 200 pontos e lançou aquele olhar malicioso para Alice. Ela retribuiu o olhar, comprou um Rei de Copas, encaixou no jogo recém-aberto pelo Chapeleiro, completou os mil pontos da canastra de Espadas e bateu, jogando fora a agora não mais vilã, Rainha de Copas.

Alice pulou de alegria, abraçou seu parceiro e muito emocionada, perguntou onde ficava o banheiro. Chapeleiro a olhou com uma ponta de decepção e indicou o caminho. Ela, sem entender o porquê daquele olhar, seguiu. Chegou, jogou uma água no rosto e sentou-se para enfim, pensar em tudo que estava acontecendo e quando dá por si, ela está de volta ao banheiro da casa de seus amigos que estão numa gritaria só lá fora.

Ao sair, ela todos a elogiam pela grande partida de buraco que ela acara de jogar. Ela demora a entender, curte os louros da vitória, identifica seu parceiro e oponentes de buraco e fica com aquela dúvida na cabeça:

  • – Foi real?

Tendo quase certeza de que foi uma viagem daquelas, regada a drogas lícitas e ilícitas, a menina matou seu copo d’água, se despediu de todos e partiu para casa. Em seu quarto, se preparando para dormir, Alice tirou seu vestido e como de costume, deu uma olhada em seus bolsos. Para sua surpresa, ela encontrou os dois pedaços de cogumelo que havia guardado durante a viagem. A dúvida entre comer ou não comer, pairou sobre sua cabeça, mas ela decidiu guardar os cogumelos e aproveitar uma bela noite de sono. Mas claro que um pensamento não saiu de sua cabeça:

  • – Quando voltarei lá?!

Você também gostará desses

O bêbado feliz! Vocês sabiam que pessoas que bebem são mais felizes? Um bêbado feliz aproveita mais coisas que alguém que é chato e se comporta mal não bebendo, não a...
50 Tons de Tinder – Encontro 3 Terceiro encontro com mulheres do Tinder de Armando. Após duas tentativas frustadas, Armando consegue finalmente algo deveras interessante. Confira o ...
50 Tons de Tinder – Encontro 2 “Quem se define, se limita” é uma clássica frase para quem usa apps como Tinder. Armando conta como foi seu encontro com uma delas.
50 Tons de Tinder – Encontro 1 Armando conta como foi o seu primeiro encontro, sua primeira experiência trágica com uma mulher do Tinder. Confira!
Cachaceiro frito. Jeremy Joseph na rave. Jeremy conta sua experiência etílica numa mistura de cachaça com Rave. Dá pra imaginar que não prestou muito certo?

Compartilhe: