A Saga de Ermelinda

Sou conhecido como Forest Gummy, o contador de histórias.

Espero que vocês gostem da minha série de histórias, verídicas ou não, mas ae depende do seu nível etílico dentro de suas entranhas e veias. Prefiro que esteja bem alto.

Começo hoje com uma história de um casal, Maurício Carlos e Ermelinda, que pode acontecer nas piores melhores famílias deste mundo. Onde Maurício, bêbado pra variar, começa a ficar alterado e Ermelinda quer ir embora do boteco. Confira mais abaixo esta história.

Senta que lá vem a história

  • – Maurício Carlos, vamos embora!
  • – Mas logo agora, Ermelinda? A festa está tão boa…
  • – Eu sei, meu amor. É que, para variar, você bebeu além da conta.
  • – Lá vem você com essa história de novo, protestou Maurício Carlos. Como é que você sabe, hein? Você por acaso ficou me acompanhando igual a garçom a festa inteira só para contar quantos drinques eu tomei? Que coisa feia!
  • – Não foi preciso. Uma mosca que estava voando na sua frente acaba de cair fulminada com seu bafo de onça no cio!
  • – Que mulher exagerada, meu Deus! Eu só tomei três drinques!
  • – Isso nos primeiros quinze minutos de festa! O senhor sabe que horas são?
  • – Sei! Quer dizer, não sei. Acho que roubaram meu relógio.
  • – Tá vendo Maurício Carlos! Ai que vergonha! Nem fazer o tal do “quatro” você consegue fazer, desafiou.
  • – Como não consigo fazer?! Isso é um desafio?! Pois veja aqui Ermelinda, está satisfeita agora?
  • – Com a mão até eu, Maurício Carlos!
  • – Eu não estou bêbado, teimou Maurício. E ficaria indelicado com os noivos sairmos logo da festa.
  • – Mas, benzinho, os noivos já estão olhando com cara feia para a gente, você ainda não percebeu?
  • – Para falar a verdade, Ermelinda, só percebi que os noivos não saem de cima do bolo.
  • – Vamos embora, Maurício Carlos! Você quer ser o último a sair, é isso?
  • – Calma, ainda dá tempo de tomar mais um drinque.
  • – Nem mais, nem menos. Chega! Se o senhor não for embora por bem, vai por mal mesmo!
  • – Hum, tô com medo dela! Brincou Maurício para descontrair a tensão.
  • – Ah, é assim? Pois saiba que está tudo acabado entre nós!
  • – Mas… mas… mas…
  • – Nem mais, nem menos, de novo. O senhor está pensando que eu vou ficar fazendo vexame em toda festa só por causa dos seus caprichos etílicos?
  • – Mas… mas… mas…
  • – Adeus, Maurício Carlos!
  • – Mas… mas eu te amo!
  • – Você já disse isso na festa do Barbosinha na semana passada! Não acredito mais em você!
    Nesse instante, em uma atitude inesperada, mas eficaz, Maurício Carlos se joga no chão e começa a babar, enrolando a língua. Ermelinda fica desesperada. Não tem reação alguma. “Por que eu fui fazer isso com o pobre Maurício Carlos?”, pensa com complexo de culpa.
  • – Meu Deus! Ele está morrendo! Atesta Ermelinda. E agora, o que eu faço?
  • – Ah, meu amor, traz mais um drinque pra mim?

Finalizando…

Já aconteceu algo semelhante com você? Compartilhe, fale, sem medo. Estou aqui para dividir com você suas dores (ou risadas).

Você também gostará desses

Rufião – O Rei do Rio: Capítulo 4 ½ Quarto capítulo e meio da novela etílica: Rubião – O Rei do Rio. A primeira suruba de Armando com sua sócia e mais duas amigas maravilhosas, que começ...
The point of no return The point of no return, ou o ponto sem volta, nada mais é do que onde algumas várias doses de tequila pode te levar a fazer ou onde não ir. Confira!...
Chapeuzinho Vermelho e suas garrafas de whisky Era uma vez uma linda menina, no auge de seus 19 aninhos, chamada Chapeuzinho Vermelho etílica.
Só não se mete na minha vida! Uma história de uma brasileira se aventurando nos EUA, enchendo a cara no bar até que a garçonete e o Dono do Bar começam a intervir e se meter na vid...
50 Tons de Tinder – Encontro 2 “Quem se define, se limita” é uma clássica frase para quem usa apps como Tinder. Armando conta como foi seu encontro com uma delas.
O outro lado da moeda Beber demais às vezes pode ter seu lado ruim ruim, constrangimentos, pagação de mico, entre outros. Mas sempre tem um outro lado da moeda pra se aprov...