Álcool e Remédios – Combinação proibida?

Hoje nosso post vem para esclarecer de uma vez por todas o funcionamento de álcool e remédios no corpo humano. É mais uma terça feira nobres! Vamos colocar a cachola pra funcionar!

Quantas vezes não foi pra night/balada (aqui no Rio é night sim!) porque estava tomando antibiótico? Ou pior, deixou de tomar o antibiótico um dia, pra não misturar com o álcool? Beleza, então não enrola e explica aí…

Como diria qualquer bom serial killer, vamos por partes…

Álcool e Remédios: Como funcionam os medicamentos no nosso corpo?

Álcool e Remédios - Homem feito de pílulas

Que hipocondríaco o quê!?

Então, nobres serezinhos ávidos por conhecimento etílico, existe uma área específica de estudo chamada  farmacocinética, que analisa o que é que acontece a um medicamento dentro do nosso corpo, como para onde é que o medicamento vai e a que velocidade, qual a forma como é transformado, e de que modo ele é eliminado.

Basicamente os medicamentos de via oral, (antibióticos, analgésicos, anti-térmicos e anti-inflamatórios são os mais comuns) fazem uma espécie de caminho padrão para serem absorvidos pelo organismo.

Primeiro eles são ingeridos, vão para o estômago, lá, as enzimas estomacais começam o trabalho, seja ele removendo ou triturando as capsulas, pílulas ou diluindo as soluções líquidas, dispersando o princípio ativo. A partir daí, ele segue para o intestino (duodeno). Como é uma área muito irrigada e muito extensa, grande parte da absorção dos medicamentos pelo corpo ocorrem nessa região, nesse momento, o principio ativo do medicamento passa para corrente sanguínea através de membranas permeáveis que existem lá.

Ok, o remédio chegou na corrente sanguínea, e aí?

Álcool e Remédios - globulos vermelhos dentro de uma artéria

Já estou me sentindo bem melhor agora…

Ai rola uma coisa muito interessante, jovem padawan, o corpo humano é uma máquina muito marota, e cada órgão só interage com um medicamento, se suas moléculas receptoras de alguma forma interagirem com aquele princípio ativo, sendo assim a maneira que as empresas farmacêuticas preparam os medicamentos, cada um para interagir com um determinado órgão.

No processo normal, o principio ativo ou atua diretamente na área que ele foi destinado, ou ele é metabolizado pelo fígado, e depois a sub-produto do seu metabolismo vai atuar em algum lugar específico do corpo.

E após interagir com o corpo, o medicamente vai sendo eliminado pelos sistemas excretores (urina, suor e respiração). A maior parte dos medicamentos de via oral, são excretados pela urina, depois de serem recolhidos pelos rins.

Beleza, beleza, beleza, mas que raios o álcool tem a ver com isso?

Álcool e Remédios - Copo de whisky com alguns remédios

Então vou tomar tudo junto!

Muitos são os efeitos que podem ocorrer, não só com a ingestão de álcool, mas de qualquer substância que o corpo não produz naturalmente…

Vamos a elas:

  • Substancia potencializando um efeito: Quando as enzimas que metabolizam o medicamento são as mesmas do álcool, pode ocorrer uma sobrecarga no processamento e a substância acaba sendo deixado “de lado” por mais tempo e concentração do que seria normalmente no organismo.
  • Álcool inibindo um efeito: Acontece com quem normalmente consome mais doses do que o moderado. O estímulo alcoólico constante no fígado faz com que haja um aumento no número de enzimas hepáticas. Quando um medicamento chega neste órgão há um excesso destas para metabolizá-lo, inativando a droga muito mais rapidamente do que de costume. Este excesso de enzimas pode permanecer por semanas após cessado o consumo de álcool.
Além disso, há um termo, chamado de meia-vida do medicamento. Esse é o tempo que o organismo leva para excretar 50% de uma droga. Suponhamos que a meia vida de uma medicamento é de 5 horas, então devemos tomar o medicamento de 4 em 4 horas, para o corpo não ficar sem ele durante nenhum momento.
O problema aí, é que o álcool é um potente diurético, e ele pode sim diminuir o tempo de meia-vida de um medicamento e deixar o corpo sem a substancia necessária se ingerido em grandes quantidades…

Ah sim, mas eu posso ou não beber álcool e remédios?

Álcool e Remédios - gato olhando para uma lata de cerveja

Oh, que dilema!

Créditos: Anton Privalov

Olha só, não sou nenhum médico, fiz sim um trabalho de pesquisa para escrever esse artigo, mas nada do que eu disser aqui deve ser encarado como verdade absoluta, até porque, a constituição de cada corpo humano e o metabolismo de cada um, são coisas únicas. Mas, segue as opiniões de especialistas:

Antibióticos

Usados para tratar infecções. Um ou dois copos de vinho ou cerveja não cortam seu efeito. Mas álcool em excesso pode, sim, comprometer a sua ação. É importante levar em consideração que um antibiótico mal administrado pode causar infecções cada vez mais resistentes e difíceis de combater…

Antidepressivos

Usados no tratamento da depressão e dos transtornos obsessivo-compulsivos (TOC) e do pânico. Consulte seu médico. Doses moderadas de álcool não causam problemas para quem toma antidepressivo inibidor seletivo da recaptação de serotonina, como a paroxetina, por exemplo.

Analgésicos e anti-inflamatórios

Misturar álcool não vai afetar o efeito do remédio. Mas, como esses medicamentos podem provocar irritação e desconforto estomacal, podem cair mal se ingeridos junto com bebida.

Ansiolíticos

Indicados no tratamento da ansiedade e da insônia. A combinação de álcool e benzodiazepínicos é a mais explosiva de todas, pois desencadeia sedação, falta de coordenação e prejuízo da memória, com risco de acidentes. 

Anti-histamínicos

Usados para tratamento de alergias, muitas vezes provocam sonolência. A combinação com álcool pode agravar esse efeito colateral, deixando você ainda mais grogue e afetando a coordenação motora. Por isso, a mistura não é indicada para quem vai dirigir, por exemplo.

Anticoncepcionais

Evitam a gravidez por bloquearem o processo de ovulação. Nenhum problema nessa mistura. A não ser, claro, que você encha a cara e esqueça de tomar a pílula. 😉

Por isso pequenos, digo e repito, é muito melhor falar e fazer as coisas depois de entender como elas funcionam. Próxima vez, pode tomar sua amoxicilina em paz, desde que, e somente que, você não encha a cara. 2 latinhas estão liberadas 🙂 Mas contem aí, quantas vezes já deixaram de sair por causa de remédios?

Fontes Consultadas: UOL, Super Interessante, Saúde Plena, Bioquímica do Álcool, Wikipedia

Você também gostará desses

Absolut Blogs: Uma nova Edição Vocês conhecem pelo menos algumas das garrafas comemorativas da vodca Absolut. Agora imaginem se existissem garrafas de Absolut homenageando blogs? Ve...
Seja Bem Vindo Papo de Bar. A web é de quem bebe. Quer entender um pouco mais o que é esse blog? Clique e entenda qual a proposta do "Papo de Bar". Até você pode participar!
Está comprovado: Cerveja é a bebida mais consumida... Conheça o panorama nacional do consumo de bebidas alcoólicas. Qual a bebida mais consumida? Quem bebe? E em que lugar do Brasil?
Beber é contagioso? Uma pesquisa feita numa Universidade da Califórnia mostra que suas amizades online podem te influenciar a beber mais ou, até mesmo, começar a beber....
A nova “Lei seca” Brasileira – S... Lei seca e suas conseqüências. O que mudará de fato na nossa sociedade e como será a fiscalização, levando em conta o histórico corrupto do país....
Nem só de homens são feitos os bares Cerveja, petiscos, shots. Isso tudo se encontra no bar, mas e a mulheres? Não podemos esquecer que elas também estão lá, e não dispensam uma boa bebid...