Bebida liberada no estádio, isso é bom?

Oláááá meus bêbados prediletos. Hoje trouxe para discutir na mesa do bar um assunto um tanto polêmico, porém, necessário analisar seus prós e contras. Como vocês sabem, na maioria dos estádios do Brasil a venda de bebidas alcoólicas foi proibida e hoje a maioria de nós só pode ficar lá de boinha assistindo o jogo sem estar mucho loco, o que pra algumas pessoas pode ser um ideia bem chata essa. Mas o quadro está mudando e já podemos ter bebida liberada no estádio.

Em Minas Gerais a venda já foi liberada. Em Curitiba, foi aprovada na semana passada o primeiro turno de votações e aguarda votações de segundo turno e sanção do Prefeito. E Porto Alegre também está com projeto de lei para liberação. Mas aí nos perguntamos: isso é bom ou ruim?

Bebida liberada no estádio é bom? Ruim?

Mulheres com Bebida liberada no estádio

Bons bebuns que somos, penso que a maioria de nós imediatamente pensa: QUE MARAVILHA! Mas talvez não seja exatamente assim. Eu nem de longe entendo algo sobre legislação (e male mal de futebol), mas penso que quando uma proibição por lei acontece, algum fundamento há de ter. Talvez nem sempre os argumentos sejam os melhores e justamente por isso precisam ser discutidos e revistos constantemente.

Ao meu ver, a proibição de bebidas nos estádios tende a ser positiva (calma, não queiram me esganar), uma vez que notícias que vemos nos jornais possuem uma frequência bem recorrente de inúmeras barbáries e pancadarias gratuitas. Se isso já acontece normalmente, sob efeito de álcool tais números podem se agravar. Não sei se antes da proibição foi feita alguma análise com base em números e fatos, mas acredito que não deveria ser baixo o número de encrencas arrumadas pelos bêbados malas que não sabem apenas curtir seu time, o jogo e uma cerveja gelaaaaaaaaaaada!

Por outro lado, proibir a venda de cerveja porque os valentões surgem do nada querendo quebrar tudo, causam dano ao patrimônio e principalmente às vidas das pessoas pode parecer algo meio como querer criminalizar o uso de “armas brancas” porque os pivetes assaltam com uma faca, onde para mim, o problema não está na faca mas no bandido.

Brasileiro com bebida liberada no estádio

E por um outro ângulo, fazer essa comparação pode ser algo mais ridículo ainda, mas o que eu quero dizer é que, talvez, o problema das brigas e violência não é a bebida, mas o ser humano infeliz corno desgramento que não sabe beber e sai de casa com sangue no zóio ao invés de curtir. Além do mais, sabemos que as proibições são sempre contornadas pelo jeitinho brasileiro, como mostrou o Dono do Bar na semana passada, onde os cariocas começaram a fazer o sacolé de cerveja, para driblar a segurança e poder beber sua cervejinha sossegado.

Mas como fazer para que a gente chegue numa situação agradável e plausível para todos? Bom, eu realmente não sei e esse artigo não é para ter uma definição mesmo do que achamos certo ou errado, mas sim, trazer o assunto a tona para repensarmos a melhor alternativa para todos.

O que vocês acham?

Você também gostará desses

Os cinco maiores recordes de cerveja Estréia de Porris Yeltsin no PdB com os mais inusitados recordes etilicos sobre a paixao nacional dos brasileiros, a cerveja.
Singha Beer, uma cerveja da Tailândia A cerveja Singha Beer e a Cantu Importadora levam consumidores para desfrutarem os encantos de um roteiro paradisíaco na Tailândia com uma promoção....
BardoBier: conheça a cervejaria baiana com toque n... Cervejaria Baiana BardoBier tem conceito diferente na produção de seus rótulos e pretende trazer muita história e cultura Nerd para o universo cerveje...
Three-Eyed Raven: a nova cerveja de Game of Throne... O famoso seriado de TV Game of Thrones recebe sua quinta cerveja, a Three-Eyed Raven. Uma Dark Saison Ale em homenagem aos sonhos misteriosos de Bran ...
Ben & Jerry’s apresenta: Sorvete de Cerveja Ben & Jerry’s lançou um sorvete de CERVEJA em conjunto com a New Belgium Brewing, do Colorado, Estados Unidos.
Romeno fica bêbado com uma cerveja e pede indeniza... História verídica que ocorreu na Romênia, de um homem que ficou bêbado com uma latinha e processou o fabricante.