Cachaça, água tônica e catchup. Jeremy Joseph e suas combinações

Fala, Sedento!

Estava conversando com um amigo do Rio de Janeiro um dia desses e ele comentou que por lá, a onda de “dia-da-semana-neja” (terça-neja, quarta-neja e afins), onde casas noturnas abrem espaço para o pessoal que curte um sertanejo universitário, está começando a ganhar muita força. Aqui nas terras capixabas, essa moda pegou já faz um bom tempo e as baladas (por aqui chamadas de rock, mesmo que toque sertanejo), se multiplicam cada vez mais.

Dia da Terçaneja

Show de sertanejo universitário

Arriba!

Créditos: Billy e Junny

Toda terça-feira, tem uma boate famosa em Vitória onde rola um sertanejo e por mais que eu pense que esse ritmo combina muito com cachaça, esta não era encontrada por lá. Até a semana passada, quando uma determinada marca de cachaça resolveu entrar nesse nicho e passou a vender combos com uma garrafa e latas de água tônica sabor frutas cítricas.

Corta para a pré-night, como diriam meus amigos cariocas.

Estava em casa, bebendo um aperitivo; uma Cachaça Da Tulha Mel, deliciosa, que desce muito bem e foi um presente muito bem recebido. De repente, toca o telefone

  • – Oi! José?
  • – Depende de quem é você.
  • – É a Clara*, lembra? Nós trocamos telefones na boate, quinta, e eu estou ligando pra saber o que você vai fazer hoje.
  • – Aaaah, claaaro! Clara! Claro, Clara (ganhando tempo e olhando o Facebook dela)! Lógico que me lembro! O que eu vou fazer hoje? Você ainda não me sugeriu nada (risos).
  • Então, queria saber se você quer ir na terça-neja comigo hoje. Até coloquei seu nome na lista.
  • – (vi o Facebook dela e aí…)Nossa! Que maravilha! Está marcado.
  • – A que horas passo pra te pegar?
  • – 22h30 tá bom pra você?
  • – Estarei lá.

#EPICWIN

Volta para a terça-neja:

Mulher segurando um shot de cachaca

Mulher também bebe...

Créditos: copo de cachaça

Cheguei lá com a garota e logo na entrada uma promotora me ofereceu a opção nova do cardápio e me deu um copo de cachaça com água tônica. A Clara pegou um também. Tomamos e aquela reação legal de um olhar para a cara do outro com aquela expressão de “adorei” aconteceu. A cachaça não era das melhores (eu pedi um pouco dela pura para provar).

De uma marca que começa a aparecer no mercado das cachaças industrializadas, não tem todo aquele cuidado na fabricação, o gosto da cana tem um quê de artificial e o retrogosto tinha um pouco de metálico. Mas na mistura com a água tônica, o gás, o gelo e o toque de frutas cítricas, o resultado ficou muito bom.

Tudo para uma noite maravilhosa

Mulheres dançando sertanejo

Elaiá...

Créditos: PEDRO HENRIQUE & FABIANO

Na hora eu já pensei que seria uma noite ótima: eu com uma mulher linda, de olhos verdes, cabelão, corpaço e que ainda gostava de cachaça. Era bom demais. Pedi um combo. Começamos a beber e eu, mesmo com meus dois pés esquerdos, dancei como se não houvesse amanhã. A noite foi se desenrolando, a cachaça acabando e os ânimos melhorando.

Lá pelas quatro da manhã, percebemos que se ficássemos mais um pouco, sairíamos junto com o lixo e decidimos ir embora. Como eu havia bebido, deixei o carro no estacionamento da boate e chamei um táxi. No caminho, ela me surpreendeu positivamente mais uma vez e pediu para dar uma passada num podrão (para quem não sabe, podrão é o apelido carinhoso para aquele sanduíche depois da noitada).

Podrão

Isso sim é um podrão!

Créditos: Eduardo Wöetter

Chegando lá, pedimos nossos lanches e ela, uma coisinha linda, me ofereceu: Catchup? Eu, todo escroto, dei aquela pedreirada marota: Muito! Ela deu risada, fingiu que nem entendeu, abriu o sachê, me deu e continuamos comendo. Quando acabamos, ela viu que só havia usado um sachê e disse: Ah, eu estava toda empolgada e você nem queria tanto assim! Rimos muito e pegamos mais um táxi para terminar essa brincadeira em outro lugar.

Lembre-se de nunca dirigir depois de beber e até a próxima!

Abraço!

Você também gostará desses

Feira de São Cristovão e Jeremy Joseph Um passeio pelo Rio de Janeiro, pelo grande Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, a Feira de São Cristóvão ou Feira dos Paraíbas. Muita comida...
A saga de Jeremy envolvendo abuso de poder e batid... Mais uma saga de nosso Jeremy rumo a uma das mais famosas batidas do Rio, a do Oswaldo. Passagem na delegacia, abuso de autoridade e muito mais.
Gringos, Lapa, mineirada, cambista caridoso, Pearl... O que uma viagem ao Rio de Janeiro para ver o show do Pearl Jam não faz. Uma mistura de Rio Scenarium, Lapa, mulheres mineiras, cambistas e cachaça na...
Ensaio sobre a churrascaria Jeremy Joseph mostra que nem só de carne mal passada e palitos nos dentes é feita uma churrascaria. Existem coisas bem interessantes de se ver (e bebe...
Cultura, tecnologia, invovação e… CACHAÇA 3 ... Fazendo um passeio pelo Rio, vendo tecnologia, cultura, coisas inovadoras, quando de repente... CACHAÇA! Nosso nobre Jeremy achaça um stand sobre a ca...
Vai uma purinha? Nosso cachaceiro de plantão inicia seus posts mostrando um pouco da história da cachaça, suas qualidades, preconceitos antigos, entre outras curiosida...