Dr. Beer: Detalhes sobre os termos usados

header latas copo

Caros leitores.

Pouco após iniciar os trabalhos em meu beerlog, em dezembro de 2007, percebi que minhas análises estavam um tanto quanto superficiais, sem muito conteúdo e pouco padrão na confecção das mesmas. Vasculhando um pouco, descobri um formulário de análise, nos quais quatro itens básicos são considerados: aroma, aparência, sabor e paladar.

Aroma da cerveja

A categoria AROMA é subdividida em outras quatro: malte, lúpulo, levedura e miscelânea. Dentro de cada uma, os subaromas que cada subcategoria pode gerar. Não vou listar todos aqui, dada a grande quantidade. Apenas a título de curiosidade, no entanto, citarei exemplos de cada uma.

As Porter e Stout, por exemplo, são notórias por apresentarem a constante presença de café no aroma, sendo essa uma característica da categoria MALTE. No lúpulo, a presença cítrica de laranja, lima, ou limão pode surgir. No levedo, pode ser sentida a presença de couro e queijo, inusitadas ao leigo, mas presentes em cervejas de fermentação espontânea, como a belga Gueuze. Por fim, em “miscelânea” há a clássica presença de banana e goma de mascar, presentes em muitas Hefeweizen (cervejas de trigo). Notas de 1 a 10.

Aparência da cerveja

Base de um copo cerveja

Créditos: SonOfJordan

No campo da aparência, os seguintes quesitos são analisados: aparência inicial da espuma (tamanho e visual da mesma), cor e longevidade da espuma, formação de colarinho, claridade e presença de partículas no corpo, bem como a tonalidade do mesmo. Notas de 1 a 5.

Sabor inicial e final da cerveja

São analisados também sabor inicial e final. Nas escalas leve, moderado, forte e pesado, considera-se os quesitos dulçor, acidez, amargor, azedume (de vinagre), azedume (de leite azedo) e se apresenta gosto salgado. Leva-se também em conta a duração do final (curta, média ou longa). Notas de 1 a 10.

Paladar

No paladar, são levados em consideração “corpo” (leve, médio-leve, médio, médio-encorpado, ou encorpado), textura (seca, aguada, oleosa, cremosa e xaroposa), carbonatação (borbulhante, forte, suave e “choca”) e o final e sua respectiva sensação (metálica, com gosto de giz, adstringência (leve, moderada, forte ou pesada) e alcoólica (leve, moderada, forte ou pesada). Notas de 1 a 5.

Resultado Final

Macro da lata de cerveja

Créditos: Andreas Solberg

Com as 4 notas em mãos, faz-se uma média para ver a nota final da cerveja, que varia de 1 a 20.

Além desse processo, lembro-me que um leitor havia questionado alguns termos técnicos, entre eles, a CARBONATAÇÃO, que nada mais é que a “sensação de gás” sentida na língua quando o líquido toca a mesma. As diferentes intensidades podem ser consultadas no campo de análise do paladar, acima no texto.

Espero que o post tenha sido esclarecedor a respeito do processo e termos utilizados. Quaisquer dúvidas, estamos à disposição!

“Cheers!”

Você também gostará desses

Review: Cerveja Paulaner Hacker Pschorr Descrição desta bela cerveja alemã de trigo Paulaner. Conhecida por muitos, mas em uma nova edição, com uma belíssima garrafa. Uma ótima cerveja, num ...
Garota do tempo da Skol A Skol lança um gadget interessante com a previsão do tempo, de uma forma muito atraente e etílica, interações com os usuários, entre outros.
Review cerveja: Oettinger Super Forte Review dessa cerveja alemã forte e encorpada do estilo Malt Liquor. Dr. Beer fala sobre seu alto teor alcoólico, aroma, aparência, colarinho, entre ou...
Cerveja Kriek Boon: Um sabor feminino numa bebida ... Você acha que cerveja não é pra mulher assim como futebol não é? Então confira a Kriek Bonn, cerveja doce, bem nos moldes das mulheres.
Petiscos dignos de um boteco Uma lista com ótimos petiscos para se comer durante uma cervejinha em qualquer boteco: frango à passarinho, batata frita, calabresa acebolada, carne s...
Como pedir uma cerveja em todas as línguas Saiba como pedir a sua cerveja em diversos idiomas. Não fique perdido quando viajar pro exterior, aprenda a falar a expressão mais importante: Uma cer...