Ensaio sobre a churrascaria

BotecoCréditos: Marcos Gagliardi

Fala, sedento!

Se tem uma coisa que eu aprendi a fazer bem nesses anos de idas a bares, restaurantes, botecos, pés sujos e biroscas – além de beber, é claro – foi prestar atenção nos frequentadores destes locais. É muito interessante fazer isso e ver as mais diferentes reações e manias dessa gente.

É claro que nem tudo se resume a barzinho. Tem aquelas vezes em que a fome aperta e você acaba cedendo àqueles pecados mortais do exagero e vai parar em uma churrascaria. Aí é que a coisa fica interessante e você vê de tudo: rico, pobre (bancado pelo rico), emergente, dondoca, brega, chique, gente sem modos e por aí vai. É sempre bom ver que tipos de mania essas pessoas têm quando estão à mesa.

Linguiças e frangos…

Vida de Merda...

Vida de Merda...

Créditos: seannibal

Já repararam na cara do garçom que serve as linguiças? Como uma regra oculta da sociedade, todo mundo sabe que aquele monte de salada do buffet e as linguiças são servidas só para fazer você perder o apetite logo. Ele também sabe disso, mas não consegue evitar ficar meio cabisbaixo toda vez que ouve um “não” e tem que sair procurando outra mesa para servir.

A mesma coisa acontece com o cara que serve o frango. Deve existir até um tipo de punição. Algo do tipo: “Ontem você não se saiu bem, vai servir linguiças!” Se o mesmo sujeito fica para servir o frango também deve ser o último passo antes da demissão por justa causa.

Sorria, você está no PdB!

Assim é mole né patrão?

Assim é mole né patrão?

Créditos: ghstil

Os das carnes nobres, ao contrário, estão sempre animados. São muito requisitados, anunciam o nome da carne bem alto e fazem gracinhas com os clientes. É verdade! Notem da próxima vez que forem a um lugar como este que eles sorriem muito mais do que os outros.

Você deve estar pensando:

O que o Jeremy quer com esse papo de churrascaria e essa viadagem de reparar em garçom?

O onde eu quero chegar é que o melhor sempre vem entre uma fatia de filé ao alho e uma picanha nobre ao ponto: as bebidas!

O ponto chave: servir churrasco vs. servir bebidas

Quando falamos em atitudes de quem serve em uma churrascaria, nada se compara à pessoa que serve as bebidas. A roupa é diferenciada (pode ver que é sempre o mais chique, ao lado da menina das sobremesas), o carrinho é cheio de sacanagem e aquele barulho das garrafas batendo umas nas outras soa quase como um hino para quem aprecia uma(s) boa(s) dose(s).

Garçom servindo mulherCréditos: Jane Williams

Você levanta o braço e lá vem aquele carrinho, cheio de delícias e possibilidades de misturas inusitadas. Você até perde o foco de que está ali para comer carne e fica um tempo pensando no que vai beber. Como bom apreciador de cachaças, vou direto para a caipirinha para iniciar. Acompanho desde o corte do limão (cuidando para que não fique nenhum bagaço para amargar) até a quantidade certa de gelo. Aquela vigorosa chacoalhada na coqueteleira já vai dando água na boca.

Aí pronto. Abre ainda mais o apetite. Na próxima passada, sempre escolho umas misturas malucas para ver no que vai dar. Da última vez foi kiwi, maracujá e manjericão com uma dose bem servida da sempre excelente cachaça Germana. Se quiser experimentar essa dica, cuidado para não exagerar no açúcar e poder notar o sabor característico do manjericão.

Se beber, não dirija

Quero minha mãe...

Quero minha mãe...

Créditos: Bryan Thatcher

E assim vai, entre uma maminha e uma chuleta, sempre sobra espaço para uma boa… caipirinha (sou excelente nas rimas!). Até chegar a hora em que o estômago pede arrego e, como sempre, depois dessa orgia alimentar e de todo esse álcool pego um táxi e vou para casa relaxar e prometer para mim mesmo que nunca mais vou dar a desculpa de arrumar assunto para escrever a minha coluna e cometer tamanho exagero.

Você também gostará desses

A Vodka e a volta ao mundo em uma noite Mais uma história imperdível do Forrest Gummy e como a Vodka o levou a dar a volta ao mundo em uma noite.
Vila Madalena, samba, mulheres e cachaça Night, balada agradável em Vila Madalena, São Paulo, muito regada com mulheres bonitas e ótimas caipirinhas. Um samba de raiz como trilha sonora, mist...
Vai uma purinha? Nosso cachaceiro de plantão inicia seus posts mostrando um pouco da história da cachaça, suas qualidades, preconceitos antigos, entre outras curiosida...
O Narguilê e Jeremy Joseph Jeremy conta para nós a sua inusitada experiência de inalar uma boa cachaça dentro de um Narguilé. Confira!
Cachaça com sushi Imagine você ganhar um noite num restaurante japonês e não conseguir chamar nenhuma mulher. Mas somos brasileiros e não desistimos nunca, acontece uma...
Feira de São Cristovão e Jeremy Joseph Um passeio pelo Rio de Janeiro, pelo grande Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, a Feira de São Cristóvão ou Feira dos Paraíbas. Muita comida...