Está comprovado: Cerveja é a bebida mais consumida no Brasil

Cerveja num copo estilo troféu

Parece até um troféu né?

Em recente levantamento inédito sobre o consumo de álcool no País mostra que 61% das doses anuais consumidas pelos brasileiros são da bebida fermentada. O segundo lugar é o vinho, com 25% da preferência.

Um estudo inédito no país aponta um panorama nacional do consumo de bebidas alcoólicas do brasileiro. Entre os resultados da pesquisa o índice de abstinência do consumo de bebidas alcoólicas, a quantidade, freqüência e o momento que os brasileiros começam a consumir o álcool regularmente. A diferença do consumo entre homens e mulheres, adultos e adolescentes, as regiões que mais bebem e, ainda, as conseqüências do excesso também são apontadas na pesquisa. O levantamento é uma parceria entre a Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) e a UNIFESP.

And the oscar goes to…

Várias canecas de cerveja

Cerveja é a mais consumida – A cerveja ou chopp é a bebida mais consumida pelos brasileiros quando se comparam bebidas pelo número de doses consumidas anualmente. De todas as doses anuais consumidas por brasileiros adultos dos dois gêneros, de qualquer idade e região do País, em torno de 61% são de cerveja ou chopp, 25% de vinho, 12% destilados e 2% as bebidas ice. Entre os destilados, a cachaça é a bebida mais consumida, seguida pelo whisky, vodka e o rum.

Os jovens entornam mais que os outros

Bebê com copo de cerveja na mão

Tô legal. Mas pelo menos eu não tenho idade para dirigir.

Jovens de 18 a 24 anos são os que mais bebem – Os brasileiros mais jovens bebem geralmente em quantidades maiores do que aqueles com 60 anos ou mais. Essa diferença chega a ser 89% maior quando são comparados aqueles com os jovens de 18-24 anos. Até os 44 anos, mais de 30% dos brasileiros que bebem consumiram geralmente 5 doses ou mais nas ocasiões em que beberam.

De acordo com o levantamento, 52% dos brasileiros acima de 18 anos bebem (pelo menos 1 vez ao ano). Entre os homens são 65% e entre as mulheres 41%. Na outra ponta estão os 48% de brasileiros abstinentes, que nunca bebem ou que bebem menos de 1 vez por ano. No grupo dos adultos que bebem, 60% dos homens e 33% das mulheres consumiram 5 doses ou mais na vez em que mais beberam no último ano. Do conjunto dos homens adultos, 11% bebem todos os dias e 28% consomem bebida alcoólica de 1 a 4 vezes por semana – são os que bebem “muito freqüentemente” e “freqüentemente”. A maioria dos brasileiros adultos ou não consome bebidas alcoólicas ou bebe de maneira potencialmente arriscada. (Veja figura 10 – Intensidade do beber entre adultos).

Homens vs. Mulheres

Mulher bebendo uma caneca de cerveja e homem observando

Ela bebe mais do que eu. Juro. E eu estou olhando pro copo ok?

Consumo diferenciado entre homens e mulheres – Os homens e as mulheres bebem com freqüências marcadamente diferentes. Os homens apresentam índice de abstinência menor do que as mulheres (35% para eles e 59% para elas). As diferenças do beber entre homens e mulheres são também claras nas freqüências mais altas (muito freqüente e freqüente), em que os homens apresentam porcentagem mais alta do que as mulheres.

As mulheres são maioria no consumo baixo: até 2 doses. Por outro lado, 38% dos homens que beberam no último ano geralmente consumiram 5 ou mais doses de bebida alcoólica em cada ocasião (versus 17% das mulheres). Ou seja, daqueles homens que bebem álcool, um número expressivo bebe usualmente quantidades potencialmente prejudiciais.

Cervejas vs. “o resto”

As diferenças entre os tipos de bebida consumidos por homens e mulheres dizem respeito ao vinho (bebido mais freqüentemente pelas mulheres) e aos destilados (consumidos mais pelos homens). Cervejas (quase dois terços do total consumido) e bebidas “ice” (responsáveis ainda por pequeno consumo) não apresentaram diferenças no consumo entre os gêneros.

Freqüência versus quantidade

Calendário com várias cervejas

Se a Região Sul apresenta índices maiores de consumo freqüente, é nas outras regiões (especialmente Nordeste, Centro-Oeste e Norte) que os brasileiros bebem geralmente em maiores quantidades nas ocasiões em que consomem bebidas alcoólicas. Na Região Nordeste, por exemplo, 13% dos bebedores reportaram consumo usual de 12 ou mais doses por dia de consumo e um quarto dos bebedores relatou consumir 5-11 doses nessas ocasiões.

O consumo de destilados é mais alto nas Regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Consome-se mais vinho na Região Sul, quando comparada com o Nordeste. Tanto cerveja quanto as bebidas “ice” são consumidas de maneira semelhante nas várias regiões do País.

Há variação no consumo de bebidas de acordo com a classe socioeconômica – Quase 2/3 dos indivíduos de classe A geralmente bebem até 2 doses, enquanto perto da metade dos brasileiros da classe E consome 5 ou mais doses por situação habitual. Apesar das diferenças parecerem grandes, elas ocorrem sobretudo nas classes A e E, em que as bases (número de indivíduos analisados em cada categoria de quantidade de consumo) para análise são muito pequenas. Além das medidas distintas de freqüência e quantidade de consumo, é interessante verificar qual o quadro que aparece no Brasil quando são integradas essas duas variáveis.

Embora a maior porcentagem de pessoas que bebem esteja nas classes A e B e na Região Sul, é nos Estados do Norte, do Centro-Oeste e do Nordeste e na classe E que se consome o maior número de doses a cada vez que se bebe.

Intensidade do Consumo

Rapaz tomando um copo gigante de cerveja

Grande parte dos que bebem já se excederam uma ou várias vezes, criando situações de alto risco. Segundo o estudo 28% dos brasileiros já beberam em “binge”, o que significa beber de forma abusiva em um curto espaço de tempo até ficar embriagado. O termo “binge drinking”, é estipulado internacionalmente em 5 doses para homens e 4 para mulheres.

O que chamou a atenção é o fato de que os que beberam na forma de “binge” foram mais freqüentes do que aqueles que não consumiram álcool nessa forma. 28% dos pesquisados beberam na forma de “binge” no último ano, contra 24% que não. A freqüência pela qual esse fenômeno ocorre é comum: mais de 50% os que bebem em “binge” o fazem pelo menos 1 vez por semana. A cerveja é responsável por 70% do beber em “binge”. Do ponto de vista da saúde pública, é importante notar que esse tipo de beber ocorre com mais freqüência entre os jovens. Cerca de 40% da faixa etária de 18 a 34 anos bebeu na forma de “binge” e somente 22% não consumiu dessa forma.

Fonte: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/resultado_pesquisa_senad_2007.pdf

Você também gostará desses

Amstel na Libertadores da América O futebol ganha mais um patrocínio cervejeiro. Agora temos a cerveja Amstel na Libertadores da América, para reforçar a marca e seu marketing.
Beertone – Guia de cervejas artesanais por c... Conheça o Beertone, um guia de cervejas artesanais diferente, que é pela cor da cerveja, feita pelas escalas SRM e EBC, para medir as cores das cervej...
Cápsulas de cerveja! Um sonho se realizando! Uma parceria entre as gigantes Whirlpool e AmBev está pra surgir com um produto inusitado e inovador. Uma máquina que faz "cerveja expresso" usando cá...
Cerveja Pilsner Urquell chega ao mercado brasileir... A primeira cerveja Pilsen do mundo, a Pilsner Urquell, entrará no mercado brasileiro oficialmente junto com a Miller Genuine Draft. A empresa SABMille...
Cervejaria belga vai construir um ‘rio de ce... A De Halve Maan, clássica cervejaria de Bruxelas, na Bélgica, teve um ideia sustentável de criar um "rio de cerveja", onde terão dutos transportando c...
Resultado da Pesquisa do Papo de Bar Resultado da pesquisa feita com os leitores do Papo de Bar, pegando informações importantes sobre comportamento e perfil dos leitores. E resultado da ...