Êta, bagaceira!

“”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (6 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading...

Quanto você escuta a palavra “bagaceira”, a primeira coisa que lhe vem à cabeça é derrota, bagunça, problema, dentre outros sinônimos. Todavia, vamos falar de outro tipo de bagaceira, mais especificamente, daquela água ardente proveniente da “terrinha”, leia-se, Portugal.

O que é Bagaceira?

A bagaceira é uma aguardente de vinho com teor alcoólico de 35% a 54% em volume, a 20°C, obtida a partir de destilados alcoólicos simples de bagaço de uva, com ou sem borras de vinhos, podendo ser retificada parcial ou seletivamente. É admitido o corte com álcool etílico potável da mesma origem para regular o conteúdo de congêneres.

Como já dito, a bagaceira é proveniente de Portugal, e foi criada por conta da sobra da vinificação da uva, ou seja, do bagaço criou-se a bagaceira.

Conte-nos mais sobre sua história!

Estima-se que no início do século XVII a produção de bebidas obtidas pela destilação de cereais, uva e sucos fermentados de outras frutas atravessaram fronteiras e começaram a se popularizar em diversos países europeus. Temos como exemplo a Alemanha, que fez a cereja originar o delicioso kirsh; a Itália fermentou e destilou o mosto produzido pelo bagaço da uva e criou a grappa; a Rússia fez o centeio virar a tão adorada vodca; a Escócia transformou cevada maltada em nosso valoroso whisky; o Japão fez o arroz virar o maravilhoso saquê; e Portugal, a sobra da vinificação da uva transformou-se na magnífica bagaceira.

bandeira-portugal

Inexiste exatidão quanto a data exata de início de sua produção, já que não se sabe quem surgiu primeiro, a aguardente vínica ou a bagaceira. A bagaceira sempre teve um aspecto mais popular de rusticidade ligada ao homem do campo, enquanto a aguardente vínica é associada à alta aristocracia pela sua delicadeza e sabor refinado.

Você sabia?

Que a aguardente vínica e a bagaceira podem ser consideradas os pais da nossa amada cachaça? Pois é, foi graças ao know-how português que foram instaladas no Brasil as primeiras destilarias de cana-de-açúcar – chamadas de “casas de cozer méis”, que logo se multiplicaram pela facilidade de existirem engenhos que produziam açúcar e rapadura.

Dizem por aí que em 1756, o rei Dom José I, resolveu taxar a nova bebida tornando a cachaça em uma das maiores fontes de impostos para a coroa. Tais recursos foram utilizados para a reconstrução de Lisboa, que tinha sido abalada por um grande terremoto no ano anterior. Com o passar do tempo, de grande fonte de recursos, a cachaça chegou a ser proibida (Crê nisso?) – Fato que a tornou símbolo da independência da coroa e fez com que os destilados portugueses fossem banidos do país.

Provavelmente, foi a partir desse momento que na região nordeste do país o termo “bagaceira” ganhou a conotação de “coisa ruim”, o que logo se disseminou por todo o país.

Bagaceira Neto Costa

Bagaceira Neto Costa

A aguardente bagaceira Neto Costa é considerada a melhor de Portugal, e tenho pra mim que é a melhor do mundo. Produzida em Portugal, possui aspecto límpido, é incolor e apresenta um aroma e paladar bastante típicos de aguardente de bagaço, o vinho-base é destilado em alambiques Charentais, depois disso, envelhece 10 anos em barris de carvalho da frança.

A bagaceira Neto Costa revela um aroma agradável de flores silvestres, dentro da boca, é bastante complexa, muito delicada, elegante e, originalmente, suave, lembrando uma grappa sem passagem por madeira.

Queremos mais indicações!

Seguem algumas indicações das melhores bagaceiras produzidas por aí:

Bagaceira Borba

Bagaceira Borba

A aguardente bagaceira Borba possui característica límpida a incolor, aroma intenso, agradável, ligeiramente frutada, com sabor suave e aveludado e teor alcoólico 40% Vol.

Bagaceira Aldeia Velha

Bagaceira Aldeia Velha

A aguardente bagaceira Aldeia Velha é uma genuína aguardente bagaceira, produzida em tradicionais alambiques de cobre e cuidadosamente envelhecida durante mais de 12 meses em barris de carvalho americano, possui cor transparente com reflexos dourados conferidos pela madeira, aspeto brilhante, aroma delicadamente frutado e robusto, fazendo lembrar não só as uvas que a originaram, mas também a madeira por onde passou. Possui também um paladar suave, rico e bem estruturado. Teor alcoólico 40% Vol.

Bagaceira São Domingos

Bagaceira São Domingos

A aguardente bagaceira São Domingos é elaborada com bagaços frescos provenientes de uvas da região da Bairrada, vinificadas pelo processo de curtimenta. Esta distinta seleção de bagaços, bem como, o cuidadoso processo de destilação a vapor, feito em alambiques de cobre, permite-nos obter um produto de excepcional qualidade, reconhecido pelo consumidor mais exigente, com o sabor e aroma reveladores da matéria-prima: o bagaço. Teor Alcoólico 46% vol.

Bibliografia e créditos:

Você também gostará desses

Como surgiu o brinde, tim-tim? Como surgiu o brinde? Aquele famoso gesto que fazemos entre os amigos antes do primeiro gole. Um pouco da história do brinde, o gole pro santo e muito...
Seios. A saga do Sr. Pinho Um conto curto e hilário sobre a história do Sr. Pinho, sommelier que no meio do caminho encontra uma bela mulher com os seios à mostra.
A Vodka e sua história Uma apresentação e história de uma das bebidas mais conhecidas do mundo, a temida e russa Vodka. Forte e geralmente ingrediente de deliciosos drinks....
Casal Vodka. O Filme Uma história fictícia de um casal que se conheceu por intermédio da Vodka. Uma história bem engraçada e interessante. Confira!
A Adriática e sua história Saiba mais sobre a Adriática e sua história, uma cerveja para desbravadores, com pegada, para beber com os amigos. Uma bela história que ressurgiu das...
Bebidas salvam vidas! As bebidas não ajudam somente as barangas do final da balada. Conheça alguns incríveis casos onde as bebidas salvaram vidas!

Compartilhe: