Macaco no computador com cerveja

Fim de relacionamento: Aonde a cerveja entra nessa história?

“Veja o papel da cerveja nos relacionamentos e nos términos deles, onde ela se enquadra, onde ela ajuda e como ela ajuda nos botecos com os amigos depois de terminar um relacionamento de meses ou anos.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (8 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading...
468x60 - Acessorios

Quando o assunto é “fim de relacionamento” e a pergunta é “aonde a cerveja entra nessa história?”, a resposta é rápida: No copo! Isso mesmo… a cerveja entra no copo. Até porque a cerveja está para o fim de um relacionamento assim como a bola quadrada está para o Kiko (“sumermo”, o marinheiro de luto do Chaves).

Completamente abobado…

Casal dentro do metrô

Vem cá lelek

Créditos: talktoanils

O tempo vai passando… você conhece uma pessoa e quando vê, já está rindo sozinho lendo mensagem no celular, criando apelidos estranhos, falando tudo com voz fininha e boa parte do seu texto está no diminutivo. Se isso está acontecendo com você, cuidado: PARA VOCÊ ESTÁ APAIXONADO. E no momento em que se está apaixonado, é a hora de procurar as promoções de cerveja, afinal, cedo ou tarde você precisará delas.

Um certo dia, alguém estava em algum lugar e acabou alguma coisa. Neste momento, este certo alguém falou:

Tudo um dia tem um fim!

Falou aí, gênio. Sabe tudo, hein? Mas pra que usar a palavra tudo? E agora, como fica a humanidade? Graças a esse cara aí, a cerveja tem fim. E um relacionamento também.

Acabou? Cerveja!

Homem sentado numa mesa chorando e bebendo cerveja

Buáaaaaa

Créditos: Melody Rönnlund & Mikael Sundberg

Os dias vão passando… os meses, quiçá, anos. E por inúmeros motivos que rondam um relacionamento, um dia, ele acaba. Nessa hora, a cerveja é o melhor remédio. E conforme a quantidade ingerida, você nota os sinais de eficiência.

Seu namoro acabou. Nessa hora você vai ao bar e pede a primeira cerveja. Ela entra com gosto de “se tu não quer, tem quem queira“. Você vai criando coragem, pois a cerveja é tão amiga, que te dá confiança. Daí você pede outra, e outra e mais uma. Você vai no banheiro, se olha no espelho e percebe aquele sorriso no rosto.

Enche a cara e posta no Facebook

Macaco no computador com cerveja

Vou postar no Facebook que to bebendo e felizão

Créditos: Serge Volobuev

Bebe mais umas, pega o celular e posta no face que está aproveitando horrores, curtindo a vida, bebendo todas e sendo feliz. Pede mais algumas ao garçom e se acaba de tanto rir. E de tanto rir, começa a chorar. E ao ver a lágrima que até então era do sorriso fácil, você se lembra que há 30 minutos atrás aquela
lágrima era de tristeza.

E por falar em lágrima e em tristeza, você que lembra que fechou uma sociedade em que seu parceiro entrou com o pé e você com a bunda. E daí você bebe mais um gole e lembra do rosto amado, e do sorriso amado, e das tantas cervejas que vocês beberam juntos. E você pede mais uma, aos prantos e já não se sabe o que tem mais líquido… se é seu copo, sua bexiga ou seus olhos.

Música de corno…

Reginaldo Rossi

Garcom, aqui…

Como o mundo já não é mais o mesmo sem música, seu inconsciente, neste momento de lágrimas, se encarrega de fazer você lembrar alguns sucessos como: (Dó maior, por favor) “Eu dormi na praaaaçaaaa, pensando nelaaaa”; “Doente de amoooor procurei remééééédio na vida notuuuurna”; “Garçoooom olhe pelo espeeeelho a dama de vermelho”; “Faz mais uma veeeez comigo, só mais uma veeeez comiiiigoooo”; “Duas taçaas brindaaaando a um amor desfeeeito”.

Esse é o momento em que você pede a conta, sai carregado e, quando a ressaca passar, volta no mesmo bar pra buscar sua dignidade que ficou lá, na mesa 69 (que raio de número de mesa).

Finalizando

Enfim. O que acontece é que todo fim de namoro etílico, termina em cerveja (ah vá). O que difere, é a quantidade ingerida.

A dica é: tenha sempre cerveja por perto. Para afogar as mágoas de um término, ou para brindar um início/volta.

Escrito por mim, que não entendo nada de relacionamentos a ponto de não conseguir nem segurar o meu… mas arrisquei a dica da cerveja pois acho que pode surtir algum resultado positivo.

Você também gostará desses

Juliana Problema: Capítulo 8 Oitavo capítulo da novela etílica, Juliana Problema. Depois de virar sócio, agora é reconquistar a "amada" Juliana e convencer o sogrão maal encarado....
Juliana Problema: Capítulo 3 Terceiro capítulo da novela Juliana Problema. Juliana vai até a casa do namorado, o vê fumando, dá alguns ataques, mas no final tudo fica bem. Confira...
Juliana Problema: Capítulo 4 Quarto capítulo da nossa novela etílica, Juliana Problema. Moya está em casa quando sua antiga ficante liga. Ele desvia, tenta fugir, mas no final vai...
Juliana Problema Juliana Problema, uma pequena novela de um namoro iniciado sem querer, por dois bêbados, é lógico, que iniciou numa balada e teve continuidade num mot...
Juliana Problema: Capítulo 2 Segundo capítulo da novela Juliana Problema. Namorado conhece o temido pai. Pior que o poderoso chefão, mais temido que traficante da Rocinha. Confira...
Juliana Problema: Capítulo 5 Quinto capítulo da novela etílica, Juliana Problema. Moya chega na festa havaiana, encontra seu chefe e seu sogro. Confira mais um capítulo!

Compartilhe: