Eddie Vedder com a bandeira do Brasil

Gringos, Lapa, mineirada, cambista caridoso, Pearl Jam e Jeremy Joseph

“O que uma viagem ao Rio de Janeiro para ver o show do Pearl Jam não faz. Uma mistura de Rio Scenarium, Lapa, mulheres mineiras, cambistas e cachaça na cidade maravilhosa proporcionou.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (3 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading...

Fala, Sedento!

Estava eu no trabalho (sim, o bon vivant aqui também tem seus dias de labuta) quando um amigo me fez uma proposta irrecusável: me chamou para ir ao show do Pearl Jam no Rio de Janeiro. Ele, viciado que só, já havia comprado para os dois shows de Sampa e ainda estava nesse pique todo. Comprei o ingresso e começamos a procurar hotel para ficar. Depois, conversando sobre outras viagens, coisas que aconteceram nelas e pessoas que conhecemos, tivemos a grande ideia de procurar um albergue. Sempre tem gente legal e que gosta de sair pra zoar tudo. Perfeito pra nós.

Rio, Cidade Maravilhosa dos albergues

Vista Rio de Janeiro a noite[ /caption]

Créditos: elmistihostel

No Rio, tem uma penca de albergues para escolher. Pensamos em um que fosse perto da praia, mas que fosse fácil para se locomover usando o transporte público. Achamos um em Copacabana que era perfeito. Muito bem avaliado (o segundo melhor da cidade, de acordo com sites especializados), pertinho da praia e da estação do metrô. Reservamos.

Na sexta-feira antes do show eu fiz o check-in sozinho no albergue (meu amigo só chegaria no domingo, dia do show, pela manhã). Me instalei, troquei de roupa e já fui direto pro bar, para receber a minha caipirinha de boas vindas, cortesia do albergue. O barman me fez uma excelente caipirinha. Aprovadíssima.

Albergues e bebidas com cachaça, óbvio

=D

Hóspedes de um albergue[ /caption]

Créditos: elmistihostel

Conversamos sobre bebidas com cachaça, não resisti e acabei indo parar atrás do balcão para mostrar algumas misturas que sempre fazem sucesso onde vou. Enquanto eu ensinava a fazer o drink Lambada, apareceram dois malucos da Inglaterra, uma dinamarquesa, uma alemã e uma finlandesa no bar e ficaram olhando eu preparar, usando:

  • Duas doses de cachaça (aqui você pode usar uma dessas de produção em massa sem dó)
  • Uma dose de leite de coco
  • Duas colheres de leite condensado
  • Calda de cereja
  • Gelo à vontade

Coloquei a cachaça, o leite de coco, o leite condensado e o gelo em uma coqueteleira, chacoalhei bem e servi num copo reto que já havia preparado antes com a calda de cereja escorrendo pelas paredes. Pode até parecer que sim, mas não fica muito doce, é muito refrescante e bate que é uma beleza.

Grande Lapa, grande Rio Scenarium

Frente Rio ScenariumCréditos: Claudio Lara

Nessa de ficar brincando de barman, os gringos já se empolgaram, deu a hora do bar fechar e fomos esticar lá no Rio Scenarium, na Lapa. Chegando naquele bar enorme, lotado e com vários ambientes, a gringalhada ficou doida. Dançando, bebendo, curtindo e dando muita risada. Ficamos lá até cinco da manhã e voltou todo mundo pro albergue feliz da vida. E eu, mais ainda. Mal cheguei e já arrumei uma galera muito doida pra me divertir.

Sabadão, churrascão…

No sábado, depois de dormir quase o dia todo, fui para um churrasco na casa de um amigo em Niterói e por lá aconteceu tanta coisa que vou deixar para contar depois. Nem imaginava que a vida do outro lado da “poça” poderia ser tão boa.

Chegou a hora do show? Não somente, mas também de cachaça!

Bela vista hein...

Depósito com barris de cachaca[ /caption]

Créditos: Robson Gehl

No domingo, dia do show, eu estava na área externa do albergue conversando com a alemã, quando começou um alvoroço danado de uma turma que estava chegando também para curtir o show. Eram de Minas Gerais, todo mundo muito gente fina (como não poderiam deixar de ser meus conterrâneos) e já chegaram agitando tudo.

Depois de instalados, juntaram-se a nós e tiraram da bolsa uma garrafa de Canarinha. A alemã ficou maravilhada e disse que não iria embora sem levar algumas garrafas para casa. Ficamos ali batendo papo até a chegada do meu amigo – aquele lá do começo, viciado em Pearl Jam – que também se enturmou rápido e na hora de ir, a gringa disse que queria muito ir, mas não tinha ingresso. Conversamos com ela e ela foi para tentar comprar na porta.

Vida de cambista& #8230;

Cambista fdp!

Cambista contando dinheiro

Belo visu, não?

Créditos: Sergio Buratto

Ainda na estação do metrô, veio um cambista oferecer o ingresso. Como os dois pés atrás, perguntei se poderia ver o ingresso e ele disse “Claro que pode. O ingresso é verdadeiro, confere aí.” Eu olhei e parecia perfeito, original. Até aí, permanece a desconfiança. A diferença do original para o falso é quase imperceptível, certo? Mas ele foi além e disse: “É real sim. Pode ficar com ele no seu bolso.”

Aquilo estava ficando ainda mais estranho, mas eu fiquei com o ingresso na mão e disse que precisava ir até o banco para a gringa tirar dinheiro. Como haviam vários policiais perto do banco, falei para ele vir junto conosco e quando chegamos na esquina ele disse que ficaria esperando.

Banco fechado, ingresso falso? Acho que não!

Da-lhe Eddie.

Eddie Vedder com a bandeira do Brasil[ /caption]

Créditos: Vinicius Ramos

Chegando lá, o banco estava fechado e nós já estávamos voltando para a estação do metrô, já que sem grana, a alemã voltaria para o albergue. Chegando no lugar onde o cambista ficou nos esperando, cadê o sujeito? Você viu? Nem nós. O cara desapareceu e o ingresso estava na minha mão. Como assim, o cambista me entregou o ingresso sem receber e sumiu? Ele fez alguma promessa? Voto de desapego? Foi descoberto como falsário e fugiu da polícia?

O que aconteceu eu não sei, mas também não ficamos para descobrir. Partimos o mais rápido possível para a Apoteose, onde para nossa surpresa, o ingresso era original e a loirinha passou sem problemas.

Finalizando

Curtimos um show histórico, com a alemã bancando a nossa sede a noite toda e voltamos para o albergue felizes da vida.

É cada uma que me acontece…

Até a próxima!

Você também gostará desses

Cachaceiro frito. Jeremy Joseph na rave. Jeremy conta sua experiência etílica numa mistura de cachaça com Rave. Dá pra imaginar que não prestou muito certo?
Vila Madalena, samba, mulheres e cachaça Night, balada agradável em Vila Madalena, São Paulo, muito regada com mulheres bonitas e ótimas caipirinhas. Um samba de raiz como trilha sonora, mist...
João Medeiros e a pimenta Jeremy fala sobre uma cachaça sem nome, batizada de João Medeiros. Bem artesanal e fortíssima e acompanhada de petiscos apimentados.
Cachaça com sushi Imagine você ganhar um noite num restaurante japonês e não conseguir chamar nenhuma mulher. Mas somos brasileiros e não desistimos nunca, acontece uma...
O bêbado e a língua É melhor falar ou pensar duas vezes? Em alguns casos a segunda opção é mais válida, mas quando se está com algumas cervejas pra dentro, complica....
Cachaça, água tônica e catchup. Jeremy Joseph e su... A moda agora é a onda do sertanejo universitário, todo lugar tem. E misturando com mulheres lindas, cachaça e finalizar com um podrão, nada melhor que...

Compartilhe:

  • Thiago Espósito

    Rio Scenarium \o/

  • Mortandelo

    Que sorte ein? O cambista era uma alma muito caridosa ou medrosa. Auhhsdu.

    • Eu nem acreditei quando vi que o cara sumiu. Era improvável demais.

  • Gabi

    Adoro o rio scenarium!! =)
    Moro como os cariocas dizem, do outro lado da ”poça” e não troco niterói por nada, mais específico a regiao oceanica…. foi em itacoatiara(propaganda: TODOS PRECISAM CONHECER HAHA) esse seu churrasco? Espero o proximo post seu relatando essa aventura!!

    • Foi na Charitas. Que também é um lugar lindíssimo. Em breve eu conto como foi. Adorei Niterói e devo voltar assim que possível. Vi muita coisa boa e quero mais um tanto.