Jagerbombs: Do outro lado não é lá essas coisas não

Visão de Melbourne

Eu tenho um amigo, coitado, que tem um emprego muito ruim! Volta e meia ele tem que passar uma temporada em algum lugar maneiríssimo fora do Brasil com todas as despesas pagas, como aluguel, alimentação, carro etc., pela empresa em que trabalha. Ou seja, o que ele recebe é dinheiro líquido para farrear, digo, curtir a vida e investir no futuro. Não me perguntem o que ele faz. Aparentemente não é nada demais. Mas o chefões gostam dele de graça, muito sortudo!

Atualmente, o pobre está em Melbourne, um lugar feio que aposto que ninguém aqui tem vontade de conhecer. E como euzinha estava atrás de novidades para contar aqui neste blog, chamei esse meu amigo, que é um bom vivan, no msn para saber de alguma história bizarra, preferencialmente de bêbado, lá da terrinha do canguru.

Conte-me tudo e não me esconda nada!

Fiz aquelas perguntinhas clichês de sempre:

_E aí queridão?! Como vai essa vida chata do outro lado do mundo?

Nem precisei ser muito explícita, ele sabia que a pergunta era capciosa, que eu queria mesmo era saber da zoeira, não do trabalho.

Depois de ter curtido muito com a minha cara, quase me matado de inveja, veio o inesperado: Ele me provou por A+B que, apesar de tudo, o lugar não é lá essas coisas (pra quem gosta de uma night daquelas de ver o dia amanhecer !).

Como assim, Pepê?

JagerbombsCréditos: Graham Ballantyne

_Aqui todo mundo se amarra em beber Jagerbomb (que é um cálice de jagermeister pra um copo de red bull). Rodadas e rodadas até o bar fechar. O único problema é que se os garçons perceberem que você está bêbado (ainda que levemente), eles param de te servir na hora e não há jeitinho que resolva a situação. Não adianta tentar molhar a mão do cara e muito menos xingá-lo. E se ele achar que você está enchendo muito o saco, o maldito chama o segurança e te coloca pra fora do bar.

_ Hahaha… não é possível! Mas que bar é esse que você frequenta?

_ A regra vale pra todos. A maior preocupação da polícia da Austrália são as brigas em bares, que costumam ser bastante violentas. Os caras bebem (o pior que nem tanto), quebram o bar todo, se socam até um pedir arrego e depois continuam tomando cerveja como se nada tivesse acontecido. Vai entender esses anglo-saxões! Inclusive, por isso, as doses são mirradas e não tem choro. Por ex., uma dose na Melt ou no Shenanigan’s equivale a duas doses dos bares daqui.

_Então, as rodadas não são tantas assim e devem ser bem carinhas, né?

_Em geral, os drinks custam doze dólares. Pra você ter ideia, a minha noitada não sai por menos de cem dólares. Quanto às rodadas, depende da sorte. Sabe como é, pra beber neguinho faz até ginástica, vira ator!

Só na malandragem!

_A minha tática aqui é alternar de barmen/balcão pra que eles não notem que já estou alucinado ou fazer força pra fingir que estou sóbrio, sabe lá Deus como!!! Hehehe… Mas outro dia aconteceu um lance engraçado e excepcional. Fomos ao The Precinct (meio bar, meio club). Na terceira rodada o barmen não queria mais me servir. Fiquei puto! Perguntei:

_Mermão, você está de sacanagem com a minha cara? Não estou em nenhuma igreja, não! Isso aqui é um bar e não bebi nada ainda.

E o barmen só balançava a cabeça negativamente. Insisti:

_ Mermão, você não é minha mãe e nem vai pagar a minha conta, portanto, mais uma rodada aqui pra galera, anda!

E o maldito só ria da minha cara! Daí ele perguntou de onde eu era. Eu disse:

_ Rio de Janeiro.

Foi quando a história mudou para muito melhor, claro!

Discoteca HelpCréditos: allenday

O mané começou a gritar Help Club, Help Club… e vários nomes de puteiros do Rio. A partir daí, o pervertido simpatizou com a minha cara e não me negou mais nenhuma dose. E foi nesse dia que saí bêbado de um bar pela primeira vez em Melbourne depois de 2 meses, acredita?

_Conhecendo bem o seu super fígado e levando em conta essas mini-doses, acredito sim! Mas não rola uma cerveja?

_ Esqueceu que eu e a minha turminha adoramos destilados? Quando não é jagerbomb, é Jack Daniels com coca ou vodka com redbull.

Moral do papo

Visão de MelbourneCréditos: violetaS_gr (holiday)

Depois dessa conversa com o Pepê, cheguei a conclusão que a Austrália é só pra turismo mesmo. Já basta minha mãe controlando o que eu bebo, agora garçon? Fala sério! Até entendo que lá tal medida é necessária, já que os australianos não sabem se comportar quando bebem, todos com síndrome de incrível Hulk. Da mesma forma, a Lei seca aqui no Brasil, os irresponsáveis bebem, perdem a noção e dirigem como se tivessem brincando de bate-bate. Agora, me diga uma coisa: O problema dessas pessoas é a bebida ou a falta de bom senso, de educação? Eu quando bebo, seja pouco ou muito, não faço nada disso.

Pelo visto, mais valem as cervejas unlimited num copo americano em algum pé sujo do Rio de Janeiro do que um jagerbomb mirrado em Melbourne. Alguém discorda? Então, conta aí onde costuma ser suas melhores noitadas fora do Brasil?

Você também gostará desses

Licor de Merda Apesar do nome inusitado, este Licor de Merda tem toda uma história por trás dele. Possui mais de 30 anos de fabricação e muita tradição.
Recife e o consumo de Whisky Recife é a capital que mais consome whisky no mundo inteiro, de acordo com a The Whisky Magazine.
Cerveja Urthel Inusitada história do Alcoolatra Assumido, sua Urthel e o relato do sortudo do primo que faturou a cerveja e fez questão de contar detalhes da experiê...
O Whisky mais caro do mundo A marca escocesa Glenfiddish lançou em 2011, onze garrafas da edição especial Janet Sheed Roberts Reserve 55, que se tornou o whisky mais caro do mund...
Vinho: Bebida dos deuses? A bela questão do vinho ser a bebida dos deuses colocada em discussão neste post. Será mesmo o Vinho a bebida dos deuses? A história e a atualidade mo...
Você sabia que o Sake? Você sabia que o sake, além de ser oriental, tem várias propriedades interessantes? O sake não dá ressaca. não se bebe com sal no Japão, além de ser t...