O impacto do reajuste tributário para o mercado de bebidas

Milton Seligman, vice-presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (Abir), disse que o repasse de ajustes tributários ao consumidor é uma coisa “natural”.

Porra, lá vem imposto…

Salvem os bares, pubs e a cerveja!!!

Beber e gritar, é só começar!

A medida provisória (MP), assinada no último dia 25, prevê uma correção na tabela de Imposto de Renda e traz de brinde outros três decretos: eleva de 2,38% para 6,38% o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), aumenta o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e os preços de referência da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para água mineral, refrigerante e CERVEJA. Mas, calma, isso AINDA não é motivo para pânico.

Palma, palma, não priemos cânico…

A medida provisória tem como fim a redução do consumo excessivo dessas bebidas, dando anualmente um reajuste de 10 a 15% a esse setor. A tabela que não era atualizada desde 2009, sofrerá um ajuste que desconta todos esses anos de inflação acumulada e atrasos… Lindo, não? Porém, o aumento desse valor não deve ser passado ao consumidor já que, segundo o IBGE, mesmo com a última atualização em 2009 o valor da cerveja subiu 17,3%, acima da inflação oficial decretada em janeiro daquele ano, acompanhada de 16,6% do refrigerante e da água engarrafada. (Por quê?)

Taxas abusivas, como sempre…

Copo de cerveja e moedasCréditos: Hello, I am Bruce

O fundamentalismo de livre mercado, que faz a merda que quiser com você, faz também do mercado de bebidas alcoólicas o que paga as tarifas mais abusivas do mundo, e o traspasse do valor desses impostos ao consumidor se torna mais que proveniente.

A medida provisória veio para consolidar, na verdade, o decreto de 2008 que mudou a tributação com base em um valor fixo por unidade produzida, para uma alíquota percentual cobrada sobre uma tabela de preços de referência elaborada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). Se houver a constatação de um aumento nos preços de referências, a base de cálculo aumenta e essas empresas pagam MAIS impostos. O decreto, de fato, é um castigo.

São 10% ou 1,45%? Tem que ver issoae…

O Governo publicará ainda nesta semana uma nota explicativa que tem como objetivo desalavancar o depoimento de alguns produtores sobre o preço final do produto — o que aparece nas prateleiras —, indicando que a MP pode infligir em no máximo 1,45% no valor, ao contrário dos 10% que andam dizendo por aí. No final das contas, a cervejinha de final de semana não aumentaria nem 5 centavos.

Já ao comentário de Milton Seligman, seria “natural”, também, eu dizer uma coisa bem feia, não?

Você também gostará desses

Câmara aprova a Lei Geral da Copa. Mais ou menos&#... Câmara aprova a Lei Geral da Copa,que disciplina os direitos comerciais da Federação Internacional de Futebol (Fifa) na realização da Copa do Mundo de...
Lei Seca, na seca há três anos Já se passam mais de três anos convivendo com a Lei Seca. Veja uma opinião sobre essa Lei polêmica, o que melhorou, o que pode melhorar e o que está p...
Vem pra Rua!!! A cerveja está mais cara Uma notícia triste para todos os amantes de lo líquido dourado e sagrado: A cerveja está mais cara. Desde o dia 1 de Maio que o governo aprovou o aume...
Cerveja mais cara: A luz acaba e eu pago mais caro... O preço da cerveja ficará mais caro por causa de investimentos em energia no Brasil. Não satisfeitos em colocar 60% de impostos, teremos uma cerveja m...
Impostos: Mais da metade da sua cerveja pertence a... Veja o quanto você paga na cerveja e o quanto disso vai para o governo, ou seja, são impostos. O Brasil é o país com os maiores impostos e preços de c...