Homem mijando num banheiro químico

Políticos não bebem cerveja

“Uma crítica pela falta de banheiros e a higiene dos mesmos no carnaval do Rio de Janeiro em 2011. Muita folia, mas pouca organização resultaram em algumas revoltas.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (5 votes, average: 9.20 out of 10)
Loading...

Primeiro desculpem pela falta de posts/textos, estamos passando por algumas dificuldades. Vamos retomar o ritmo e falar um pouco sobre o carnaval, tudo bem que já passou tem um tempinho, mas temos algumas opiniões para compartilhar com vocês.

Banheiros públicos, o terror do carnaval do Rio de Janeiro

Homem mijando num banheiro químicoCréditos: Luis Cleber Martines

Difícil achar argumento plausível para a complicada e mal-sucedida regra de três aplicada a (má) distribuição de (imundos) banheiros químicos aos serelepes cariocas. Em minha primeira incursão a blocos na cidade, semanas antes do carnaval, já tive a certeza de que teríamos que ser criativos para não molhar as calças. Cheguei a pensar seriamente na fantasia de bebê e apelar para as fraldas geriátricas. Uma tentativa desesperada de me largar na folia sem preocupação.

E como não há situação imune a desgraça maior, o festeiro que fosse flagrado, aliviando seu xixi na penumbra das ruas seria encaminhado a delegacia por conta desse seu ato hediondo absurdamente perigoso e violento que somente os mais perigosos criminosos de Bangu I são capazes de realizar entre um assassinato e outro.

Meu forte nunca foi a matemática, mas me arrisquei a levantar alguns números e percebi uma leve sacanagem direcionada a quem estava na rua para se divertir.

O famoso Bola Preta

Mulheres fazendo careta de cheiro ruimCréditos: Água… *

No sábado de carnaval, a Avenida Rio Branco, no coração do centro financeiro do Rio, contou com um dos blocos mais tradicionais da Cidade Maravilhosa, o Cordão da Bola Preta e seus mais de um milhão de foliões na procissão etílica. Mais de 500 licenciados (sem contar os clandestinos) vendiam nossa sagrada cervejinha. Enquanto isso, nossos generosos e (i)responsáveis representantes públicos nos disponibilizaram um número aproximado de 300 fétidas cabines de gincana.

Peço ajuda aos assíduos e inteligentes leitores deste prestigiado blog para me ajudar a responder a uma complexa pergunta: Quem deveria ser preso?

Você também gostará desses

Lata especial da Antarctica para o carnaval 2017 Lata especial da Antarctica com mensagem positiva deve ganhar ruas e blocos do Rio de Janeiro e Brasília no carnaval de 2017.
Nova carta de cervejas do Rota 66 Confira agora o lançamento da nova carta de cervejas do Rota 66. São cinco cervejas artesanais do Rio de Janeiro, todas saborosas. Veja quais são os r...
O Carnaval Cerveja no carnaval pode não ser uma boa pedida. É muito boa pelo calor e sua temperatura baixa e claro, pelo seu baixo preço. Mas saiba o porquê de n...
Senado aprova gorjeta de 20% pra garçons Opiniões do Dono do Bar sobre a nova lei que está para ser aprovada no senado sobre o aumento na gorjeta dos garçons de 10% para 20% para bares, resta...
Picolés alcoólicos O Sorvete Itália relançou dois sabores para este verão, caipirinha e batida de coco. São dois picolés alcoólicos que contém cachaça. Saiba mais sobre!...
Academia da Boa vai investir nos garçons cariocas Visando melhorar um serviço que nunca esteve em alta no Rio de Janeiro, a Academia da Boa vai investir nos garçons cariocas

Compartilhe:

  • Laurinha Ribeiro

    Rapaz…quem deveria ser preso? Você de fraldinha! Brincadeirinha!!! Mas que dava tudo pra te ver fantasiado de bebê com fralda descartável eu dava!!! rsss

    Política não é um dos meus assuntos preferidos!=/
    Beijos

  • Rodrigo de Sá

    Eu acho que o Slogan do carnaval no Rio podia ser: “Rouba mas não mija”.
    Eu não ouvi uma notícia de crime nesse carnaval, a não ser, claro, mijar na rua.
    Ou os bandidos entram de férias no carnaval e vão curtir o mesmo. Ou essa lei foi criada para ajudar a desviar do assunto. (convenhamos, nunca chamou muito atenção mesmo no carnaval)