A proibição do fumo em lugares fechados

“Os fatos, como eles parecem ser, é que a nicotina pode reduzir a concentração de álcool no sangue.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (1 votes, average: 10.00 out of 10)
Loading...

Os tabagistas andam bastante aborrecidos com as medidas que o governo brasileiro têm adotado nos últimos anos. A última, e talvez a pior de todas para os amantes do tabaco, foi a proibição de fumo em lugares fechados. Sendo curto e grosso, em bares, boates e restaurantes.

– Porra! Que merda! Tem balada que eu vou que, para fumar eu preciso pagar a conta, sair, fumar o meu cigarro e abrir outra comanda novamente. Absurdo!

Pois é. Mas e se eu te disser que existem fundamentos científicos que confrontam essa decisão? Você não adora quando a ciência corrobora uma opinião sua extremamente impopular (tipo como a que Terra gira em torno do sol! Imagina!) mostrando com toda a força que você está certo? É meus amigos, se você é um tabagista talvez você possa se gabar.

Eu, que pelo menos fumo uns cigarros enquanto bebo, resolvi ler a respeito. E convido-os a me seguir nesse pequeno artigo sobre o porquê da proibição em nome da “saúde pública” não é, provavelmente faltando algumas informações, uma medida salva-vidas. É isso mesmo! Estou trazendo luz sobre as proibições de fumo com alguma base cientifica sobre o porquê de fumar só poderia prevenir coisas como dirigir embriagado e intoxicação por álcool.

É óbvio que qualquer defesa em favor do tabagismo será recebida de forma indelicada, mas a coisa boa é que eu to pouco me lixando com isso. Este texto não traz argumentos que dizem que fumar é bom ou mesmo neutro para a sua saúde. Na verdade é realmente prejudicial. Ele traz um argumento que diz a nicotina pode, principalmente para os fumantes, tornar-nos menos suscetíveis aos “perigos” do álcool.

A nicotina pode reduzir a concentração de álcool no sangue

homem fumando dentro de um bar

Créditos: Segrei Kurzanov

Os fatos, como eles parecem ser, é que a nicotina pode reduzir a concentração de álcool no sangue.

Um estudo publicado na renomada revista científica Nature mostrou que, dos ratos que receberam uma dose pequena de bebidas seguido de diferentes níveis de nicotina – simulando níveis de “moderado” a “pesado” – o fumo em seres humanos adultos pode sofrer uma queda 30% e 50% nos níveis de alcoolemia (se você tem que perguntar por que os resultados em ratos são significativos, então você simplesmente não entende como a ciência funciona). A teoria dominante parece ser de que a nicotina reduz a velocidade na qual o estômago se esvazia, permitindo mais tempo para a bebida ser submetida ao ácido do estômago, retardando desse modo as taxas de absorção. Agora é que as coisas começam a ficar interessantes.

Para onde foram os espaços para fumantes?

Não importa onde você está, você já deve ter notado que tem havido uma onda de proibições de fumar em locais públicos de todos os tipos, e a proibição é geralmente baseada na preocupação com o fumo passivo. Essa preocupação pode ser realmente importante para espaços fechados (creches, escritórios, fábricas, escolas, restaurantes e etc), o problema é que muitas destas proibições chegaram aos espaços de bares e restaurantes designados para fumantes: os famosos “fumódromos”. Estes espaços eram preenchidos exclusivamente por pessoas que fumam. Espaços soberanos. Espaços sagrados. Há locais que possuíam fumódromos ao ar livre e mesmo assim tiveram que ter esses espaços desativados.

As leis de proibição sobre o fumo geralmente são municipais ou estaduais, mas creio que não há uma cidade sequer no Brasil onde os espaços para fumantes não tenham sido proibidos. Até bares que tradicionalmente recebem fumantes estão proibindo ou, na melhor das hipóteses, limitando o espaço dos fumantes. Atualmente há lugares que te proíbem de fumar até mesmo debaixo de um toldo.

mão segurando cigarro e caneca de cerveja

Créditos: Adrian Palyi

Aqui é onde eu discordo totalmente com proibição total de fumar em bares: a ciência indica que a presença de nicotina pode reduzir o nível de alcoolemia de alguém que gosta de ambos, e geralmente que gosta de fumar também gosta de beber. Para os donos de estabelecimentos como bares e casas noturnas esta informação é de extrema relevância. Se o sujeito, ao fumar, vai aguentar beber mais, significa que este também irá consumir mais bebida. Possui um bar e quer que alguns dos seus clientes mais lucrativos fiquem sóbrios por mais tampo? Arranje um lugar decente para eles fumarem! Se a pessoal está bebendo e não tem onde fumar, adivinhe o que ela fará quando a vontade de fumar for mais urgente do que a de urinar ou pegar mais uma cerveja? Ela vai embora!

Conclusão

Você pode ler este pequeno artigo e usar os comentários para, no mínimo, me afrontar. Afinal, existem muitos estudos que dizem que a proibição do fumo em lugares fechados foi extremamente benéfica para a humanidade. Você pode argumentar que a proibição de comerciais de cigarros fez com que a queda no consumo de tabaco chegasse a 33% nos últimos anos. Você pode me dizer que tabaco provoca doenças do coração, impotência sexual e etc. E é tudo verdade.

Você também pode argumentar que pelo menos 50% da população brasileira é a favor da proibição do tabaco. OK. Mas vamos levar em conta que ainda existem pessoas que acreditam que fomos criados na nossa forma atual, ignorando a evolução.

Não acho que a proibição total seja o melhor caminho. O tabaco é uma prática milenar e os governos ainda permitem que as fábricas continuem funcionando. Concordo que pessoas que não fumam não são obrigadas a fazê-lo de forma passiva. Só não concordo com a proibição quase total das áreas de fumantes. Esses espaços devem continuar existindo. Quem fuma e bebe sabe quais são os males que estes dois trazem, mas ainda assim decidiram encontrar prazer nestes produtos. O mesmo vale pra consumidores de fast-foods, chocolates, frituras e etc.

Compartilhe:

  • Luis Alberto Paiva

    Uma das maiores bobagens que ja li nesse blog.
    Não ha proibição de cigarro, você pode fumar confortavelmente no ambiente do seu lar.

    Pela sua lógica também poderíamos liberar a cocaína, pois ela diminui os efeitos do álcool que diminuem os reflexos e atenção.

    Na verdade sou a favor da liberação de todas as drogas, até o momento em que um direito seu, não intervenha num direito meu. E no caso do cigarro, a fumaça intervem no meu direito de respirar ar puro.

    • Luciano

      Olá Luís, tudo bem? Sua resposta meio que se contra diz. O fumo não é proibido, já o uso de entorpecentes como a cocaína sim. O texto se embasa em um estudo sério sobre nicotina e também faz um protesto contra o fim dos chamados fumodromos. E ainda cita que ninguém é realmente obrigado a fumar de forma passiva, apenas sugere que donos de estabelecimentos continuem a garantir o espaço dos fumantes. Talvez você não tenha compreendido o sentido do texto. De qualquer forma, mesmo discordando, obrigado pelos comentários. Abs

      • Luis Alberto Paiva

        O argumento a favor do fim dos fumódromos é que pessoas que trabalham acabam sendo obrigadas a frequentar esses ambientes, prejudicando também a saúde das mesmas.
        O estudo sério aponta somente a interação da Nicotina sobre o efeito do alcool, enquanto há outros estudos sérios que apontam que interações com outros componentes do cigarro potencializam os efeitos nocivos do mesmo.
        De qualquer forma, a postura segregativa do estado quanto ao cigarro produziu uma nova geração que pensa duas vezes em iniciar o consumo do cigarro, pois sabe que arcará com algumas consequências negativas em relação ao seu uso.
        No fim das contas a balança pesou positivamente, menos pessoas fumam, as pessoas que fumam podem continuar fumando, apesar de passarem por uma certa dificuldade para exercer esse direito.