Rótulos de cerveja. Uma breve história, lembranças e relíquias

 

Que cerveja é bom isso ninguém discute. Ok, discute sim, mas convenhamos que isso não vem ao caso agora. Eu falarei agora sobre o visual da cerveja, mas não sobre a loira em si, seu corpo, sua cor e tudo mais. E também não falarei da garrafa, apesar que isso merece um post sobre mais pra frente.

Sobrou então pra eu falar sobre o rótulo. Sim, o rótulo que você sempre vê quando pega a garrafa para colocar a cerveja pros amigos e pra você. Existe muita coisa por trás desses rótulos, toda uma arte da época que é produzido, etc. Existem rótulos raríssimos de cervejas que você não vê mais hoje em dia.

Um pouco mais sobre rótulos

Lembram desse rótulo da Bohemia? Antigo né?

Lembram desse rótulo da Bohemia? Antigo né?

Bom, como vocês podem perceber, o rótulo é o principal meio de veiculação e divulgação na cerveja, mas claro que eu não estou falando de mídia, comercial e tudo mais, mas da garrafa em si. E claro, os rótulos existem em qualquer tipo de bebida, mas nesse post estou falando especificamente de rótulos de cervejas e antigos. 😉

A magia por trás dos rótulos

Um pouco antigo, mas creio que vocês lembram de mim

Um pouco antigo, mas creio que vocês lembram de mim

Existe todo um estudo, uma magia por trás dos rótulos. Coisa de designers e estudiosos dessa área. Não compreendo praticamente nada sobre essas teorias, mas acho fantástica a relação que rola nesses rótulos com o consumidor e o estudo feito pra cervejaria.

Lembram de mim? Eu acho que não.

Lembram de mim? Eu acho que não.

Esses estudos passam principalmente pelas cores e tipografia. Se vocês perceberem, as cores utilizadas são a dourada e vermelha, isso porque o dourado você lembra da cerveja e o vermelho te dá uma impressão de ter sede, algo que esquenta, etc. Mas claro que existem algumas particularidades e cores que são acrescentadas como, por exemplo, a Antactica que leva, também, a cor azul.

Existem outras coisas referentes aos rótulos de cerveja, vários elementos que influenciam, como o grafismo, formato, o slogan, o posicionamento desses elementos.

Mas por quê tudo isso? Qual o motivo desse trabalho inteiro?

Sou antiga mas sou jovem

Sou antiga mas sou jovem

O usuário final, ou seja, você. Sim, o nobre cervejeiro que adora tomar umas várias com os amigos durante a semana e claro, nos finais de semana principalmente. O cliente, público alvo é o grande “culpado”, digamos assim, por esse trabalho todo. Cada cerveja pode focar em um certo tipo de público. Seja ele jovem, caso da Skol, seja ele mais experiente, caso da Brahma, entre outros aspectos que influenciam a marca.

Sou coroa e feita para os mais experientes

Sou coroa e feita para os mais experientes

Por isso que os rótulos mudam, por isso que os slogans mudam, por isso que sempre temos comerciais diferentes, etc, etc, etc.

Vai me dizer que vocês não lembram do famoso “A número 1” e o cara levantava a mão no bar mostrando o dedo indicador e a Brahma aparecia na mão do cara de repente? Esse é um dos clássicos da cerveja e até certo tempo atrás eu não entendia porque eles deixaram de lado. Assim como a “Paixão Nacional” Como a Antarctica era conhecida.

Que que tem eu?

Que que tem eu?

E o baixinho da Kaiser? Vai me dizer que você não lembra desse ícone? Eu ainda acho que deveriam ter o colocado no rótulo da Kaiser 😀

Alguns outros rótulos

Durante o post vocês perceberam que eu coloquei alguns rótulos antigos para relembrar os velhos tempos. Foi de propósito mesmo, é a ideia inicial do post, mostrar alguns rótulos antigos de cerveja. Abaixo vou mostrar alguns outros de cervejas conhecidas, todas nacionais.

Kaiser

Rótulo da Kaiser

Esse aí é bem antigo e pra ser sincero eu tenho somente vagas lembranças sobre esse rótulo da Kaiser.

Itaipava

Rótulo Itaipava

Velhos tempos em que a Itaipava custava R$1,20 nos bares de Petrópolis, na época em que eu morei por lá. Agora está no mesmo naipe das cervejas mais vendidas e tem incomodado muito a Ambev.

Rótulos raríssimos

E pra finalizar vou mostrar alguns rótulos raríssimos de cervejas também raríssimas e que eu nunca tinha visto.

Imperial Light

Rótulo Imperial Light

Esse rótulo é de uma lata de Cerveja Skol (pasmem) que possuía pescoço ondulado (4 anéis) e produzida pela Brahma em Juatuba/Mateus Leme – MG. Foi fabricada em meados de 1993 e 1994, que utilizou o “disfarce” acima, que era feito de papel e colado, envolvendo a lata por completo. Nunca vi informações sobre a circulação dessa cerveja por aqui no Rio, muito menos no país. Você lembra dela? Viu por ae?

Orleanense

Rótulo Orleanense

Outra que eu nunca vi. A qualidade da foto está precária e isso dificulta a lembrança do rótulo. Só se sabe que foi fabricada em Santa Catarina, em Orleans.

Providencia

Rótulo Providencia

Mais uma desconhecida e com um triângulo com um olho dentro, parecendo o disco do Pink Floyd. Só sei que é de Curitiba. Também pudera, está bem na cara do rótulo. 😀

Port

Rótulo da Port

Essa dae é de Minas, Vespasiano e adivinhem? Sim, eu nunca a vi em lugar nenhum e nem sei se existiu mesmo. Eu já vi a London Porter, não sei se serve 😛

Quinobeer

Rótulo da Quinobeer

Esse rótulo tem mais cara de suco de morango com laranja do que de cerveja. Essa é do Pará e muito menos essa aí eu teria visto. E dizem as línguas que era produzida com cevada e plantas nacionais. Eu conheço a Dado Bier, serve? 🙂

Vasco

Rótulo da Vasco

Não poderia faltar uma cerveja carioca não é verdade? Tudo bem que o nome é completamente ridículo, mas isso não vem ao caso 😉 E ainda é na Rua Maxwell, aqui pertinho de casa, ou pelo menos era. De repente acabou sendo rebaixada em algum momento 😀

Finalizando

Você por acaso já viu algum desses rótulos? Conhece alguma cerveja bizarra por ae? Conte para nós então.

Peguei esses últimos rótulos num site de um possível colecionador

Você também gostará desses

The Beers: agora. Música na versão engarrafada. Mais uma vez viemos mostrar como música e cerveja permanecem em extrema harmonia. Com vocês o projeto The Beers.