Scotch, por favor. Sem gelo.

“Uma breve introdução sobre a história do whisky. Produção, evloução, nomenclaturas, envelhecimento, entre outras informações.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (15 votes, average: 8.87 out of 10)
Loading...

Um doente estafado de uma cavalgada que cruzou grande parte do território escocês foi medicado com uma droga anestésica na primeira metade do século 15. Os monges celtas que o tratavam, já haviam utilizado este medicamento mais de uma centena de vezes. Devido à crença que esses religiosos depositavam na bebida que aliviava a dor daqueles que portavam graves enfermidades, batizaram-na de aquavitae, ou água da vida.

Copo de Whisky

A origem do nome

Esse registro (historicamente não confirmado) levanta a suposição que a arte de destilação da aquavitae já era conhecida na Irlanda, onde operava a Igreja Celta. Essa droga que os monges produziam era baseada em uma mistura de maltes especiais destilados. Quando a droga popularizou-se na Escócia, a palavra aquavitae foi traduzida para o gaélico escocês como uisge beatha e, posteriormente, usquebah (cuja pronúncia se parece com uísque).

Entretanto, mesmo que os monges já destilassem em toda Europa o malte que entraria para a história, foi na escócia que eles encontraram o mais formidável de todos os terroirs.

Terroir? É um filme de Terror?

Para o leitor que não está familiarizado com a expressão, terroir significa uma reunião de todas as características climáticas e geológicas de uma determinada região que, quando juntas influenciando a produção de uma determinada iguaria, a tornam única e diferenciada de outra produzida em uma região de terroir diferente.

Em 1845 o Frade John Cor publicou o famoso pedido de compra de oito bolls (1300L) da bebida, em nome do rei da Escócia. Esse foi o primeiro registro de uma transação de Whisky conhecida na história. Em 1850, burgueses escoceses como John Walker, George Ballantine, James Chivas, John Dewar e Matthew Gloag começaram a produzir blends com grãos leves. Desde então o Whisky escocês vêm liderando as vendas em relação aos produzidos em qualquer outro lugar do planeta.

E veio a evolução e diversificação

A produção de Whisky foi se diversificando e tornando-se mais complexa na medida em que as principais destilarias escocesas cresciam. Entretanto os Whiskys que realmente vendiam eram os Malt Whisky que podem ser formados por um único malte, por um malte puro de uma só destilaria, ou por um blend deles, e o Grain Whisky que pode ser destilado a partir de grãos de milho ou de trigo.

Em uma garrafa de Scotch Whisky existem cerca de 800 compostos químicos dos quais 44 vêm do carvalho do barril. Não existem 2 scotch whiskies iguais, embora algumas vezes duas ou mais destilarias pertençam ao mesmo dono, usem a mesma cevada, água, barril, etc. Elas sempre produzirão produtos finais diferentes. Uma vez engarrafado a bebida torna-se complexa através de seu envelhecimento.

Um Whisky pode ser feito 100% com cereais maltados, provenientes de uma única destilação e, por isso mesmo, pode apresentar sabores diversos de acordo com cada processo. Esse tipo de Scotch é chamado de Puro Malte. Os “Puro Malte” podem ser engarrafados como “Single Malt” no qual apenas uma destilação é utilizada ou como “Vated” no qual várias destilações “single malt” são misturadas para se conseguir o profuto final. Entre os apreciadores é comum afirmar que o “single malt” é um músico solista se apresentando, enquanto o “vated” é toda a orquestra tocando junta.

Envelhecimento

Essa bebida é envelhecida por no mínimo 6 anos. Um Scotch tradicional, por no mínimo 8. Considerando que um blender especialista cuja formação de toda uma vida o tornou capacitado para preparar essa ilustre iguaria por 12, 15, 18, 21 anos ou mais, você não acha que seria uma pouco de desrespeito da sua parte misturar guaraná, soda ou energético com seu Whisky?

No próximo artigo, continuação da matéria, você irá conhecer alguns dos melhores scotchs do mundo e os “Whiskys” fabricados em outras regiões, tais como Estados Unidos e Irlanda do Norte.

Post original: Papo de Homem

Você também gostará desses

Era uma Vez o Acabado – 5 Veja mais um capítulo do conto etílico Era mais uma vez o Acabado. Agora Armando recebe visita da ruivinha que pegou na Lapa e que o questiona de vári...
50 Tons de Tinder – Encontro 6 Armando consegue mais uma cocota do Tinder, numa daquelas histórias de chorar de rir. Só avisamos uma coisa, nunca use álcool gel como lubrificante. V...
Chapeuzinho Vermelho e suas garrafas de whisky Era uma vez uma linda menina, no auge de seus 19 aninhos, chamada Chapeuzinho Vermelho etílica.
50 Tons de Tinder – Encontro 2 “Quem se define, se limita” é uma clássica frase para quem usa apps como Tinder. Armando conta como foi seu encontro com uma delas.
50 Tons de Tinder – Encontro 1 Armando conta como foi o seu primeiro encontro, sua primeira experiência trágica com uma mulher do Tinder. Confira!
50 Tons de Tinder – Encontro 4 Armando conta sua jornada ao sair com a quarta menina do Tinder, um encontro pra lá de engraçado e com gostinho de quero mais.

Tags:

Compartilhe:

  • Lord

    Nunca misturei nada além de gelo nos scotches, mas agora fiquei com pena até de colocar gelo!

    Consegui um Gold Label. Até agora não tive coragem de violar sua garrafa! XD

    Cadê mais e mais posts do Dr. Scoth?

  • Dr. Scotch

    Em breve amigo, em breve!

  • Lord

    Só de ler já fiquei bêbado! XD

    Obrigado aos colunistas da PDB.

  • Esculachou meu nobre. E que venha o próximo 😉

  • Aprendi com escoceses, certa ocasião, que o gelo quase nunca é usado. Adicionam água pura, e só.

    Quero saber mais a respeit disso, Dr. Scoth. Fico no aguardo dos próximos capítulos!

  • Aprendi com escoceses, certa ocasião, que o gelo quase nunca é usado. Adicionam água pura, e só.

    Quero saber mais a respeito disso, Dr. Scotch. Fico no aguardo dos próximos capítulos!

  • Sérgio Kolosz

    Realmente, são duas bebidas distintas, com e sem gelo… Vale a pena saborear o seu Whisky das duas maneiras… Eu também vi Porris, em um documentário, que os apreciadores usam água destilada no lugar do gelo…

    A proposito, o que seria a "maltação" dos cereias, já tentei procurar, mas não achei muita coisa…

    Parabéns, hj a noite, vou tomar algumas doses em homenagem ao papo de bebado

  • Como eu sempre digo: quando cansado, Scotch puro para animar; quando tenso, Scotch com gelo para relaxar.

  • leo

    sempre cowboy pra q gelo?