Beba antes de morrer: Weihenstephaner Vitus

“Degustamos uma cerveja bem interessante e um pouco forte, com 7.7% de teor alcoólico, a cerveja Weihenstephaner Vitus. Uma Weizenbock de respeito, que vale a pena.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (3 votes, average: 8.67 out of 10)
Loading...

Vamos dar continuidade a nossa série de textos que apresentarão alguns rótulos que devem ser degustados por todo amante do pão líquido que se preze! Reza a lenda que existe um espaço reservado no post mortem sem open bar para todo e qualquer pela saco que despreze a oportunidade de degustar uma dessas estrelas que serão apresentadas neste humilde espaço!

Weihenstephaner Vitus: Difícil falar, fácil beber!

Eu poderia ser sofisticado e dizer que sempre pesquisei sobre as qualidades dessa cerveja, até a primeira experiência… Mentira! Acabei ficando com essa cerveja na cabeça porque não conseguia falar o nome da bendita! Um belo dia eu fotografei a dita cuja e caí pra dentro na pesquisa. É uma Weizenbock, que descobri ser recheada de prêmios interessantes, como o de melhor cerveja do mundo em 2011.

Essa cerveja sopa de letrinhas também é recheada de histórias maneiras, como a de sua maturação extra, feita nas adegas de um monastério. Lembrando disso, segue o meu primeiro e importante aviso: ela tem 7,7% de concentração. Ok, não é nenhum absurdo, mas requer cuidado e respeito, vá com calma, curta a viagem.

Garota dourada: Weihenstephaner Vitus

Garrafa da cerveja Weihenstephaner Vitus

Créditos: David Monroe

A Weihenstephaner te ganha no olhar! Um corpo denso e bastante dourado e de aparência turva se encaixa perfeitamente no colarinho igualmente denso e saboroso. O aroma é marcante e lembra pão! Isso mesmo, simples, lembra pão! Tem uma ou outra coisa mais doce que não consegui identificar muito bem. Apesar do cheiro, o sabor não é de pão, e se aproxima de algo mais doce, tendo uma textura amanteigada e cremosa muito interessante.

Dentro desse sabor e textura, podemos notar a ilustre presença do álcool. Sim, podemos senti-lo, notando que essa não é uma cervejinha pra qualquer faixa branca, amigos. Apesar disso, ela não tem qualquer impeditivo aparente que reduza sua bebilidade.

Mesmo densa, sua digestão é leve e não recomendo que cometam o mesmo erro que eu em uma das minhas experiências. Nada de gelar demais! Ela fica sensacional entre 8 e 10 graus, uma temperatura de consumo que sugere uma belíssima alternativa pra esse nosso inverno.

Ela também não é muito cara, entre 20 e 25 dinheiros, tá bem paga! Não sei se merece essa pompa de melhor do mundo, mas é fundamental beiçar essa loira antes de fazer a passagem!

Até!

Você também gostará desses

Review cerveja: Koninck Gusto 1833 Blond Review da cerveja Koninck Gusto 1833 Blond, da Bélgica no estilo Belgian Strong Ale. Excelente formação de colarinho e reduzida longevidade. Gosto fru...
Review Cerveja: Bitburger Premium A vez agora é da Bitburguer, cerveja Pilsen Premium, de origem alemã. Um pouco acima das pilsens nacionais mais consumidas. Vale conferir!
Review cerveja Kaiser Bock Mais uma cerveja nacional sendo degustada no PdB. A Kaiser Bock foi lançada em 1993 e por incrível que pareça quase não se acha no Brasil.
Review cerveja: Bavaria Clássica Mais uma nacional sendo degustada e essa geralmente está nos churrascos e botecos da vida, a Bavaria Clássica.
Review cerveja: Margriet Review dessa cerveja belga do estilo Belgian Pale Ale, com uma espuma bem volumosa e aerada, acompanhada de uma excelente formação de colarinho.
Review Cerveja: Chimay Blue Review dessa magnífica Trappiste belga, do estilo Belgian Strong Ale. Um preço acima da média, mas com o sabor igualmente acima da média.

Compartilhe: