Beba antes de morrer: Weihenstephaner Vitus

“Degustamos uma cerveja bem interessante e um pouco forte, com 7.7% de teor alcoólico, a cerveja Weihenstephaner Vitus. Uma Weizenbock de respeito, que vale a pena.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (2 votes, average: 8.50 out of 10)
Loading...

Vamos dar continuidade a nossa série de textos que apresentarão alguns rótulos que devem ser degustados por todo amante do pão líquido que se preze! Reza a lenda que existe um espaço reservado no post mortem sem open bar para todo e qualquer pela saco que despreze a oportunidade de degustar uma dessas estrelas que serão apresentadas neste humilde espaço!

Weihenstephaner Vitus: Difícil falar, fácil beber!

Eu poderia ser sofisticado e dizer que sempre pesquisei sobre as qualidades dessa cerveja, até a primeira experiência… Mentira! Acabei ficando com essa cerveja na cabeça porque não conseguia falar o nome da bendita! Um belo dia eu fotografei a dita cuja e caí pra dentro na pesquisa. É uma Weizenbock, que descobri ser recheada de prêmios interessantes, como o de melhor cerveja do mundo em 2011.

Essa cerveja sopa de letrinhas também é recheada de histórias maneiras, como a de sua maturação extra, feita nas adegas de um monastério. Lembrando disso, segue o meu primeiro e importante aviso: ela tem 7,7% de concentração. Ok, não é nenhum absurdo, mas requer cuidado e respeito, vá com calma, curta a viagem.

Garota dourada: Weihenstephaner Vitus

Garrafa da cerveja Weihenstephaner Vitus

Créditos: David Monroe

A Weihenstephaner te ganha no olhar! Um corpo denso e bastante dourado e de aparência turva se encaixa perfeitamente no colarinho igualmente denso e saboroso. O aroma é marcante e lembra pão! Isso mesmo, simples, lembra pão! Tem uma ou outra coisa mais doce que não consegui identificar muito bem. Apesar do cheiro, o sabor não é de pão, e se aproxima de algo mais doce, tendo uma textura amanteigada e cremosa muito interessante.

Dentro desse sabor e textura, podemos notar a ilustre presença do álcool. Sim, podemos senti-lo, notando que essa não é uma cervejinha pra qualquer faixa branca, amigos. Apesar disso, ela não tem qualquer impeditivo aparente que reduza sua bebilidade.

Mesmo densa, sua digestão é leve e não recomendo que cometam o mesmo erro que eu em uma das minhas experiências. Nada de gelar demais! Ela fica sensacional entre 8 e 10 graus, uma temperatura de consumo que sugere uma belíssima alternativa pra esse nosso inverno.

Ela também não é muito cara, entre 20 e 25 dinheiros, tá bem paga! Não sei se merece essa pompa de melhor do mundo, mas é fundamental beiçar essa loira antes de fazer a passagem!

Até!

Você também gostará desses

Estréia Dr. Beer: Review Unibroue Chambly de Noire... Conheçam o Dr. Beer e sua grande estréia no PdB falando sobre a saborosíssima Belgian Ale canadense Chambly Noire.
Review cerveja: Petra Bock Review dessa bock brasileira. Faz um papel razoável no quesito das cervejas Bocks, mas seu preço não vale muito a pena, podendo se achar outras bem me...
Review Cerveja: Petra Stark Bier Review de uma marca de cerveja conhecida no Brasil, a Petra. Possuindo uma excelente formação de colarinho, a Petra Stark Bier. A melhor representante...
Beba Antes de Morrer: Brewdog Punk IPA Degustamos a deliciosa cerveja do estilo IPA que é um tapa na cara: a Brewdog Punk IPA. Com um início tímido, mas que ao entrar no organismo mostra su...
Review Cerveja: Corona Extra Review da mexincana Corona Extra, uma Pale Lager um pouco conhecida no Brasil. Acima da média do mercado nacional, mas com um preço acima de sua quali...
Review Cerveja: Licher Um reviewda Licher, cerveja de trigo alemã, do estilo Hefeweizen. Uma ótima pedida para uma cerveja desse estilo.

Compartilhe: