Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (9 votes, average: 9.00 out of 10)
Loading ... Loading ...

header-crise

Um tema recorrente, cansativo e impossível de evitar hoje em dia é a crise econômica mundial. Muita coisa vêm mudando e vai continuar mudando em decorrência dessa crise e nós, que precisamos obrigatoriamente consumir, sentimos os efeitos em nossos bolsos.

Um dos lados bons de ser um amante do etilismo é que, sem dúvidas, o último lugar onde a crise chega é o boteco nosso de cada dia. De formas criativas e originais podemos continuar consumindo o que nos une como se não houvesse amanhã.

Mas porque falar de crise justamente aqui?

Basicamente, por dois motivos. O primeiro é devido a um protesto que me chamou a atenção. Segundo uma nota do G1, as vendas de cerveja caíram quase 10% no Reino Unido. Com isso, a associação de cerveja e dos pubs britânicos organizou um protesto criativo contra o possível aumento dos impostos sobre a cerveja. Vestidos de ‘cerveja’, as pessoas foram para a frente do parlamento pedir que o plano seja revisto.

Beber e gritar, é só começar!

Beber e gritar, é só começar!

No Brasil, o governo também esta preparando um aumento de impostos sobre bebidas, que tem como objetivo aumentar a arrecadação e compensar o corte de impostos de outros produtos. Seria hora de nos unirmos para um protesto também?

O maior problema é que a cultura do brasileiro é completamente diferente da cultura do inglês, e por aqui a bebida causa muito mais transtorno do que alegria. Tudo bem que isso pode ser atribuído para uma minoria, mas não consigo enxergar uma forma eficaz de melhorar a coisa no Brasil se não for atingindo a todos, no bolso e onde mais possa doer.

Prossiga com seu raciocínio.

Temos ai um paradoxo: ser a favor de algo que me prejudica diretamente. Opiniões políticas a parte, tenho pra mim que isso não vai alterar completamente os hábitos daqueles que, da mesma forma que eu, gostam e consomem bebidas rotineiramente. E se cada um precisa mesmo fazer a sua parte pelo bem da economia, que seja dessa forma.

Só mais uma dose, por favor! =D

Só mais uma dose, por favor! =D

E o que devemos esperar disso tudo?

O lado bom de ser frequentador assíduo dos botecos da vida é que, geralmente, é lá o último lugar que a crise escolhe para cobrar seu preço. Você sempre vai ter a disposição aquela cerveja por um preço justo, acompanhado de um bom bate papo com aqueles que estão diariamente com você, criando uma rotina boa de se viver.

Se hoje eu pago R$2,70 numa cerveja, acredito que ela não passará de R$3,00, o que definitivamente eliminará duas ou três fichas do bilhar ou uma dose de amendoim. E acredito que esse seja um sacrifício aceitável para fazer minha parte pela crise.

Como manda a regra, não mudarei meus hábitos de consumo e nem deixarei de fazer meu capital adquirido circular. Um bom economista pode falar melhor a respeito.

Concluindo

Não temam. A cerveja nossa de cada dia continuará gelada, sendo servida de forma amistosa pelo carismático dono do boteco, com uma pequena alta no preço, infelizmente. Mas eu ainda sonho com um lugar onde a cerveja saia do bebedouro e a vodka seja um item de consumo recomendado, deixando de ser um bem supérfluo. Não custa nada sonhar, né?

E você, ta preparado pra crise? O que espera disso em relação aos seus hábitos etílicos?

Sobre o Autor

Um apaixonado por vodka que se exibe vez ou outra destilando comentários ácidos e pertinentes sobre assuntos diversos.

  • http://www.papodebebado.com/author/leandro/ Le Brasseur

    o cigarro já aumento 30% de IPI por conta da redução de IPI sobre materiais de construção.

    Os caras mesmo fora da crise dão um jeito de aumentar o preço da cerveja de uma hora pra outra.

    A Cristal por ex. Eles soltaram uma promoção aqui onde moro de Cristal a 1 real a latinha. Assim ficamos por meses e meses. Quando todo mundo acostumou a cerveja foi pra 1,50 .. ou seja 50% de aumento DO NADA.

    Se a crise afetar as bebidas com certeza vai abrir espaço pra pessimos produtos. Os consumidores mais serios ficarão mais restritos e quem sabe as importadas ficarão mais proximas de nossas geladeiras.

  • William

    2,70 a cerva se paga barato chefe, agente paga 3,50 dependeno do lugar aki em belo horizotne :/

  • http://www.manualdocanalha.com Daniel

    O que mais me chateia nisso tudo é saber que o governo vai aumentar os impostos sobre as bebidas para que ELES bebam mais! Definitivamente injusto.

    Agora, falando do Reino Unido, q legal aquelas fantasias de copo de cerveja hein?!

    Daniel
    http://www.manualdocanalha.com

  • Aline

    hahaha se vc acha 2,70 barato vem pra indaiatuba-sp onde pago 1,99 na skol e 2,20 na brahma(garrafa claro) aqui é o paraisoooo amo botecos vivaaaa espero q a crise não chegue forte !!!

  • Guga

    Aqui em Brasília a cerveja é cara em quase todo lugar…ainda bem que ainda nos restam aqueles famosos botecos "copo sujo" que definitivamente são os melhores pelo preço, bom atendimento, temperatura ideal da cerveja, boas companias e por serem imunes a crises….assim espero! Vida longa aos "botecos da vida" como já disse nosso amigo. E quando vc achar um bebedouro desses que sai cerveja me avisa pelo amor de Deus!!! Abraços

  • William

    1,99 skol? por um preço desse eu passava a beber skol serio pqp impossível, um dia vou prai ctz fazer uma visita noss

  • Bruno Corrêa

    hahahaha… 3,50 em Belo Horizonte? Vem aqui pra Sampa no bar da esquina da minha casa e pergunta o preço da Bhoemia ou Original…..R$ 6,20….+ também se não vier uma que não seja noiva eu truuuuuuuucoooo……e o atendimento é nota 11 ….eu pago!

  • Samir

    A Crise já bateu no buteco q eu frequento, as porções tiveram um aumento de 15%, a cerveja passou de 2,50 (Brahma), para 2,70!!! horrivel pra quem ganha o msm salário!

  • http://www.diariodesolteiro.com.br Rose

    Aqui as cervejas aumentaram ano passado, antes da crise. Mas eu sou FILHA DE DONO DE BAR (imagine minha cara de YEEEEAAAAH!), e lá a cerveja é R$ 1,99 Skol e Antarctica R$ 2,09. Uma loucura.

    Beijo

  • Bruno

    Pois é..fosse R$ 2,70 a cerveja aqui eu pagaria R$ 0,30 a mais numa boa..o problema é que aqui em Brasília a cerveja tá 4,20..aí aumentar isso já é complicado de se levar numa boa..hehehe

  • http://www.microhost.tk Oliveira

    Ainda bem que parei de beber há quase dez anos. http://www.alcoolatra.tk

  • Alisson

    Concordo com o GUGA , bebedor de cerveja de verdade bebe em dois lugares: em casa e no buteco de banheiro fedido…

    A aparencia não é das melhores, mas a breja… sem comparação.

    Aqui na região de Bauru-SP a SKOL vai de $2,20 a $6,50 dependendo da mala do lugar…

  • roger

    aqui em POA ta entre 3,50 e 5

    depende o lugar e a ceva

    POLAR é 4 pilas… e vale cada centavo

  • roger

    falando é claro em preços no BAR

    nao no atacadão da esquina… ¬¬

  • Luiz.

    Ponta Grossa, PR

    Schin 2 real

    Kaiser 2,20 reaus

    Skol Brahma Antartica 2,50

  • Aline

    Willian vc ta convidade a vir pra cá mesmo esse preço não é impossivel e qdo vier vá no bar do evandro lá é o paraisoo!!

  • http://desax.blogspot.com/ Rodrigo

    Olhando os comentários desse post me passou pela cabeça a seguinte idéia: alguém fazer uma pesquisa de preços por regiões e tentar definir porque o dessa variação. Seria ótimo pra matar a curiosidade de algumas pessoas e, talvez, até decidir o destino das férias de outras! auhuaHuahuaHuA…

  • http://www.brunodulcetti.com/blog/ Dono do Bar

    É uma boa ideia Rodrigo, pensarei em providenciar isso ;)

  • http://www.bolacomigo.com.br Daniel Simões

    Como vem aos poucos esses aumentos, agente acaba não sentindo no bolso. Vamos ver se esse aumento das bebibas será "exagerado" como foi o do cigarro. Por enquanto continuo bebendo bastante!

  • Leonardo Rechberger

    por isso que eu bebo na rua , 15$ o engradado de SubZero e ja era.

  • Rapha.

    Interessante será se essa medida facilitar a entrada e dimunuir o custo das bebidas importadas. Não sei se a causa disso está diretamente ligado ao aumento de imposto do produto nacional, mas tenho visto em “real time” a popularização de cervejas premium e algumas importadas até em mercados menores.