Bebida de mulher?

Está esperando alguém, senhora? Deseja mais uma cadeira e copo?“ Foi o que ouvi quando sentei no bar sozinha e pedi uma cerveja. É bastante desconfortável quando isso acontece com as mulheres sozinhas num bar. As pessoas olham e ficam espantadas, reparando, encarando, até as mulheres se levantarem e irem embora. Mal sabem eles que há milênios ,antes de estarem degustando o famoso suco de pão, elas já produziam e se embebedavam como boas “Belas, debochadas e do bar”.

A origem da cerveja

Estatua da Suméria sobre cerveja

Após os Sumérios perceberem que poderiam fazer “pão líquido”,tal técnica foi aprimorada até perceberem e nomearem a cerveja como “bebida divina”. Era tão divina que tem sua própria deusa: Ninkasi. O mais interessante é que o louvor a Ninkasi nada mais é que uma brassagem. O processo de produção de cerveja era feito por mulheres, pois era todo feito na cozinha junto com o pão e assim, considerado uma atividade doméstica. Logo, elas eram donas e frequentadoras de tabernas. Quando casavam, o dote era justamente as ferramentas para fazer a cerveja.

Bolo de cerveja

Uma das mais conhecidas donas de taberna foi Siduri. Para produzir a cerveja, deixava a cevada de molho até que houvesse a germinação e assim era moída e moldada em bolos, no qual, adicionava a levedura. Os bolos, após parcialmente assados, eram desfeitos, colocados em jarras com água e deixados a fermentar. Esta cerveja ainda é fabricada no Egito e se chama Bouza. O lúpulo e outras ervas eram adicionados para corrigir as diferenças no sabor.

Seres místicos

Barra suméria com história da cerveja

Reza a lenda que a história da varinha mágica veio justamente com a vara de homogeneizar o tanque de cerveja. Naquela época, não se preocupava tanto assim com higiene e então a varinha que mexia em um, mexia em todos os tanques, levando a levedura de uma para outra. Na época que a química nem existia ainda, era tudo no máximo uma alquimia bruta, eles achavam que o início do processo de fermentação era pura mágica.

Concluindo

As mulheres estão na história da nossa “bebida divina” desde a sua origem. Sem elas, quem faria a cerveja que hoje nós tanto amamos? Sendo assim, amigos, quando virem uma mulher entrando sozinha ou em um grupo feminino no bar, deixem ela(s) em paz. O bar é de todos nós e queremos todos nos divertir, não é mesmo? Então ergam seus copos e façamos um brinde a deusa Ninkasi.

Créditos da foto de capa: Hero Images

Você também gostará desses

Desperados: Tequila na cerveja Conheça a cerveja Desperados, uma cerveja feita com tequila. Existente na França desde 1995 e já está presente em 50 países. Entrou no Brasil no mês d...
ELA: Coletivo cervejeiro feminino Conheça o ELA, um coletivo cervejeiro feminino que surgiu com a ideia de acabar com o machismo relacionado à produção e consumo de cerveja. Confira ag...
Kit Papo de Bar e SuperPrix O Papo de Bar junto com o SuperPrix criará um kit de cerveja em parceria com seus leitores e clientes. Decida quais rótulos, qual nome, dentre outras ...
Parece que, aparentemente… Aparentemente é uma palavra espetacular, que serve para várias coisas e situações de um bêbado e seus amigos. Tanto ela como "caralho", "parece que",...
Obras de arte em obras de arte. Sobre mulheres tat... As mulheres tatuadas são mais que apenas mulheres. Os rabiscos são mais que tatuagens. É tudo uma composição de uma obra de arte noutra obra de arte....
Como a cerveja chegou às terras tupiniquins. Um TC... Veja o quinto capítulo de um TCC sobre copos de cerveja. Nesse artigo é falado sobre a chegada da cerveja ao Brasil através dos portugueses, surgiment...