Review Cerveja: Wals Trippel

“Review da última cerveja da Wals, a sua Tripel. Uma cerveja pretensiosa, muito saborosa, sem deixar a desejar em nenhum aspecto. Não chega perto dos resultados belgas, mas é uma ótima cerveja.”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (3 votes, average: 7.00 out of 10)
Loading...
468x60 - Acessorios

Rótulo da cerveja Wals TrippelCréditos: Ultra@

Descrição detalhada Wals Trippel

Com esse exemplar de hoje, termino de analisar os rótulos dessa promissora cervejaria mineira. Defino sua Pilsen como surpreendente, sua Dubbel como decepcionante (peguei um lote que estava azedo, mas em breve receberei a garrafa de 750ml da fábrica, quando poderei tecer novos comentários, que, tenho certeza, serão favoráveis) e a Trippel como pretensiosa.

O adjetivo dessa última definição deve-se ao fato de que o estilo, belga por definição, é muito complexo e é preciso muito know-how para produzi-lo de forma que mantenha todos seus ditames e “cacoetes”. A cerveja é muito saborosa e não deixa a desejar em nenhum aspecto, no entanto, digamos que ainda é uma versão “júnior” do resultado que os mestres belgas já atingiram, até mesmo pelo tempo que já a produzem.

Garrafa da cerveja Wals TrippelCréditos: Habeas Corpvs

Sua aparência, porém, perde em nada para suas familiares do além-mar. A espuma apresenta aparência inicial volumosa e irregular, cor alva e reduzida longevidade. Seu corpo âmbar-escuro é borbulhante e turvo, de grossa densidade. Há boa formação de colarinho.

Em termos de aroma, notas cítricas de laranja, presença de abacaxi e também um bouquet floral. O agradável e delicado sabor é levemente amargo no início (semelhante a casca de laranja), apresentando moderado dulçor e leves acidez e amargor no final, este de média duração.

Notei uma presença cítrica durante todo o gole. O paladar é composto de um corpo médio, de textura aguada (uma de suas principais faltas), forte carbonatação e final de sensação metálica. Falta complexidade, mas, ainda assim, é uma boa representante brasileira do estilo. Fico curioso pra saber se maior tempo de guarda, ou talvez na garrafa de 750ml, a cerveja apresentaria maior complexidade.

Custo-benefício

Garrafa de 350ml adquirida por cerca de R$ 9 no Armazém da Serra (Mercado Municipal de Curitiba-PR). Pouco acima do valor que eu consideraria justo, talvez 2/3 disso, ainda assim, proveitosa a título de conhecimento.

Nota: 130 Skol

Informações

  • Origem: Brasil
  • Estilo: Belgian Strong Ale Trippel
  • Grad. Alc.: 7.2%

Você também gostará desses

Manekineko: Harmonização de drinks e comida japone... Aprenda a harmonizar drinks e comida japonesa. Nessa nossa experiência nós usamos Frozen, caipirinha, com Shimeji, Chips, Lula, dentre outros aperitiv...
Review cerveja: Quilmes Stout Review de uma Stout que mais parece uma malzbier do que uma Stout. A fraca Quilmes Stout, direto da Argentina da famosa cervejaria Quilmes.
Cantillon: o sabor da fermentação espontânea A descrição de uma experiência bem pessoal: a degustação da complexa e rara Cerveja Cantillon Kriek 2002 Lou Pepe (icone do estilo Lambic).
Review: Cerveja Paulaner Kristallklar O primeiro review do Papo e Bêbado começa com o lançamento da Paulaner no Brasil, a deliciosa Kristallklar.
Era uma boa cerva portuguesa! Era uma lager portug... Experimentamos a Super Bock, uma cerveja lager de Portugal que não deixa a desejar, porém seu custo/benefício não é lá essas coisas. Mas vale a pena e...
Review Cerveja: De Bora Bier, a poderosa IPA Review dessa poderosa cerveja India Pale Ale nacional. Artesanal e de ótima qualidade, e ainda vem com um preço bem em conta.

Compartilhe:

  • Sérgio

    Chato demais

  • Sérgio, desculpe, mas se não gosta destes reviews, não veja. Ficar enchendo o saco do Dr. Beer pelos comentários não é nada legal.

    Abraços.

  • Papai Noel

    Não acompanhei todas as cervejadas, inclusive não apareço aqui já a algum tempo. Não experimentei ainda essa seleta cerveja nacional e não a encontro nos bares em São Paulo. Provavelmente a encontro em um mercado de porte na selelção de importados.

    Gostei da abordagem, muito similar ao modo operatis que utilizamos no vinho, mas também acredito que a complexidade de uma cerveja mereça uma abordagem tão profissional quanto.

    Mas um comentário, não achei a garrafa (talvez pelo fato de ser 350 ml) muito similar as Belgas. Vou procurar essa para aqui em São Paulo para deixar o meu parecer.

    Abraços