The point of no return

Créditos: drinkstudio.com

Você, assim como eu, se considera um bebedor nato. Certo? Você, assim como eu, já passou por porres homéricos, DRs sem motivo, arrancou o espelho do carro, falou o que não devia, e se ajoelhou em direção à Meca em frente a um vaso sanitário – alguns, dizem, utilizam pneus velhos, enfim, cada um cada um.

Enfim – enfim de novo -, você já está maduro com o alcoolismo, é um alcoolicista de primeira, conhece os seus limites, sabe beber e não estragar tudo, afinal, o diabo sabe mais por experiência do que por diabo – eu discordo, mas isso é outro assunto. A última vez que você falou “eu nunca mais vou beber assim” foi realmente a última vez. Até a próxima que você caga tudo de novo.

What the fuck?

Após meu último descarrilamento hepático, justo na festiva data em que comemorava meus vinte e oito anos em uma brilhante ode à alcoologia, tentei fazer os cálculos: eu comecei a conversar efusivamente à partir da terceira caipirinha. Na quinta, já estava tocando violão e cantando Tim Maia

A sexta foi utilizada como extintor de incêndio, afinal fui presenteado pelo dono do bar com uma dose de tequila prata. A sétima, creio eu, foi compartilhada com outras doze pessoas, enquanto me empurraram mais três doses da mexicana impiedosa.

Após isso, as dosagens se confundem com cenas de periculosidade – deitar no meio do asfalto não é recomendável -, um choro infantil e súbito – “eu não acredito que ela teve a coragem de me dar um pé na bunda!” -, e, claro, a primeira de muitas conferências com Mr Boss. Hugo Boss. No banheiro feminino de um bar distantes 10km de onde começou a noite, coisa que até hoje não faço idéia como foi acontecer.

What the fuck?[2]

O que me levou a pensar no título desta verborragia escrita. O point of no return (sim, podemos traduzir para ponto sem volta, momento sem volta, tanto faz, mas eu gosto de alguns termos em inglês, whatever), aquele momento em que a linha temporal rompe devido a um pequeno, quase insignificante, filhadaputamente escrota dose a mais.

Com essa quantidade com certeza você cai.

Créditos: sjsharktank

Digamos: 5 tequilas, em determinada noite, você cura com 1 litro de água, um Quarteirão no McDonald’s, e duas Neosaldina. Agora, por uma fanfarronice do destino, 5 tequilas e ¼ você não cura nem em templo hare krishna. A cura vem através da punição: giros intermináveis na cama e um nada sensual abraço no vaso sanitário – lembre-se: pessoas botam a bunda ali.

Finalizando

Tenho aqui um dever como jornalista profissional em conduzir uma investigação precisa sobre os reais acontecimentos bioquímicos que acarretam o fucking point of no return. Mas eu digo um grande foda-se ao profissionalismo e deixo que vocês respondam.

Por enquanto, me permito um pouco de ignorância e bato o martelo: não são 5 tequilas que te fazem mal, e sim aquele ¼. Certo?

Você também gostará desses

Era uma vez o acabado – 3 Moya reencontra sua última ex-namorada e tenta uma reconciliação, com visitas, tentativa de devolução de presentes, almoço e sobremesa feitos por ele....
50 Tons de Tinder – Encontro 1 Armando conta como foi o seu primeiro encontro, sua primeira experiência trágica com uma mulher do Tinder. Confira!
Ô lá em casa Os problemas de se ter um relacionamento com uma mulher que não bebe. Você não pode ir num boteco, tem que dormir no sofá, entre outras patadas. Confi...
Juliana Problema Juliana Problema, uma pequena novela de um namoro iniciado sem querer, por dois bêbados, é lógico, que iniciou numa balada e teve continuidade num mot...
Era Uma Vez o Acabado – 2 Moya leva a lolita ruiva para um boteco pé sujo, mostra uma outra cara do Rio e seus valores. Joga uma sinuca, vai pra casa dela, dá café na cama e tu...
Rufião – O Rei do Rio: Último Capítulo Confira o último capítulo da novela etílica Rufião - O Rei do Rio. Armando encontra Kelly e Alexia com o político que o prendeu tramando planos e chei...