Era uma vez o acabado – 1

“”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (7 votes, average: 8.14 out of 10)
Loading...

Odeio essa situação. Encontros às cegas sempre foram e serão furadas. A menina é bonita. Linda. Ruiva, magrinha, sorridente e cheia de energia e estilo. Não poderia dar um ponto negativo à ela. O problema desse encontro sou eu. Ela não poderia me dar um ponto positivo – o que é assaz compreensível.

Estar ciente de que a outra parte não lhe quer desde que você chegou é uma merda. Não é uma baixa autoestima minha. Na verdade sou bem arrogante. Seguro de mim mesmo. Aprendi meus limites e minhas verdades. Sei onde piso. Esse encontro às cegas é um fracasso do momento em que ela me viu. Ainda assim, finjo que não dei por derrotado e continuo o papo conforme a educação dela permite.

Papo vai, papo vem…

Estamos no lar de um casal de amigos. Há outras pessoas, mas o casal aproveitou que eu e a ruivinha somos os recém-separados e nos colocaram nessa saia justa. Num determinado momento, quando o homem da casa vai apertar um baseado, ele puxa um livro da estante – como se não fosse uma coisa planejada por ele – e mostra à ruivinha.

Casal lendo livro

Que bosta de livro hein…

Créditos: Coertje Feil

  • – Ah, você já publicou um livro? – ela me pergunta num mix de espanto e desdém.
  • – Na verdade esse é o primeiro, é um livro de contos e eu sou um dos autores convidados. É que eles não compraram o segundo. Nem foram no lançamento. – respondi educada e sinceramente.

No Rio de Janeiro é assim mesmo. Todo mundo tem um amigo que publicou um livro. Mesmo com a suposta falência do mercado editorial, existe uma cacetada de pessoas com esse sonho e que tiram do próprio bolso o dinheiro para realiza-lo. Eu sou um desses.

  • – E você escreve sobre o quê? – a ruivinha pergunta

Sobre o que eu escrevo? Sobre a vida. Sobre esse tipo de situação. Sobre os fracassos que constantemente batem à minha porta. Sobre como pode ser a derrota um convite à aventura e não um final infeliz. Escrevo na primeira pessoa.

  • – Escrevo sobre qualquer coisa – respondo.

Toma-lhe toco, fdp…

Peço licença e vou ao banheiro. Não estou com vontade. É só o desejo de sair dessa conversa educada. Ela não tem interesse e está se esforçando ao máximo para adiar o toco. Então, por um erro de arquitetura, de dentro do banheiro, ouço com clareza o sussurro entre a ruivinha e a dona da casa.

Ruiva em cima de um caminhão com um cachorro

Vai embora, coisa chata

Créditos: Michael Schneider

  • – Ai, amiga, não vai rolar. Ele tem nada a ver comigo.

Era o que eu precisa para dar a noite como terminada. Programo meu celular para tocar em quinze minutos. Puxo a descarga só pela encenação e lavo a mão. Vou fingir que um amigo me ligou e saio correndo na busca de um outro local que sirva uísque. Saio do banheiro e dou de frente com a ruivinha folheando meus contos. Ponto negativo para mim.

Eis que…

Sento entre os homens e começo a falar besteira. O celular toca. É o despertador que programei. Finjo uma conversa ao telefone, como se algo interessante acontecesse em algum lugar do Rio de Janeiro (nunca tem algo interessante, é sempre algo do mesmo). Despeço-me de todos educadamente e, na porta, a ruivinha me interpela:

  • – Isso o que você escreveu é verdade?

Não é verdade. Claro que não é. Biografia só serve para as pessoas interessantes e que mudaram a história. Eu vivo de ficção. Mentiras. E um tiquinho de sacanagem. “Muitas vezes a vida pode ser uma inspiração?” Claro que pode, mas não é comum.

  • – Sim. Quase tudo é verdade. Menos a parte do traveco. – respondo e vejo-a rindo

A ruivinha se aproxima de meu ouvido e pergunta para onde vou e se ela pode ir comigo.

  • – Claro que pode, mas com você eu mudo os planos. – respondo
  • – Isso é bom ou ruim?
  • – Pra você será ótimo.

Ela volta para dentro de casa, deixa o livro numa cadeira, pega a bolsa, se despede correndo dos outros e sai comigo.

Ela percebeu que não se julga um livro pela capa. Eu, que nunca aprendi a lição, continuo fazendo propaganda de coisas que não possuem conteúdo. Ao lado de uma das mulheres mais lindas que já vi na minha vida, preciso ser criativo e surpreendê-la. A parte mais difícil: agradar uma mulher.

Acho que tenho uma ideia!

Você também gostará desses

Nunca mais eu vou beber Um paralelo com o "Nunca mais eu bebo", mas sem nenhuma relação com a ressaca e sim com os homens bêbados, seus tipos e claro, mulheres.
O outro lado da moeda Beber demais às vezes pode ter seu lado ruim ruim, constrangimentos, pagação de mico, entre outros. Mas sempre tem um outro lado da moeda pra se aprov...
Rufião – o Rei do Rio: Capítulo 6 Confira o sexto capítulo da novela etílica: Rubião – O Rei do Rio. Eis que Armando começa a ter planos junto com Kelly de dominar todo o Rio usando os...
50 Tons de Tinder – Apresentação Tudo vai bem num relacionamento, quando de repente, acaba tudo e temos que seguir na vida de solteirice. Pra isso temos a ajuda do aplicativo Tinder, ...

Compartilhe:

  • Como mudar o jogo com ruivas usando livros… Boa Moya 😀