Guinness agora é vegana, não leva bexiga de peixe

E ae meus nobres adoradores de líquidos etílicos. Tempos atrás o nobre Drunk McLovin escreveu sobre 8 cervejas puro malte que você poderia deixar de beber. O artigo deu o que falar pois a Guinness era uma das cervejas que estavam dentro dessa lista, o que revoltou uma parte da galera. O motivo disso é que ela leva ictiocola, uma gelatina feita de bexiga de peixes, que serve para a clarificação da cerveja. Isso revoltou um pouco os veganos. Mas agora isso é passado, a Guinness agora é vegana.

Peraí, mas como eles conseguiram isso?

Dois pints de Guinness

Simples, nobres padawan, a galera da cervejaria simplesmente decidiu não utilizar mais a ictiocola na filtragem do produto. A empresa Diageo, proprietária da Guinness, explicou nesta terça-feira à AFP:

Acabamos de instalar o novo sistema de fabricação. Enquanto a ictiocola é um meio muito eficiente e tenha sido utilizada por anos, nós esperamos não mais utilizá-la, com a introdução de um novo processo de filtragem.

Quer dizer então que a Guinness agora é vegana e eu posso beber?

peixes saindo do pint de guinness

Então, infelizmente ainda não é assim. O processo está todo sendo feito, porém, isso leva um pouco de tempo. A galera disse que esse processo não deve ficar pronto antes de 2017. Portanto, nobres veganos, não bebam ainda.

Mas pra que serve essa maldita ictiocola?

A ictiocola não tem sabor e é uma gelatina feita da bexiga de peixes. Sua utilização é para acelerar a filtragem, o clareamento e o refino da cerveja, o processo que elimina as partículas em suspensão do mosto. A utilização dela é muito eficaz, ajudando bastante no processo, porém, tem deixado a galera vegana meio revoltada com isso. E não é somente a Guinness que utiliza essa substância, inclusive uma organização chamada Barnivore possui uma lista de cervejas que são adeptas aos veganos em seu site. A Heineken e a Skol, por exemplo, estão nessa lista.

Finalizando

Acho interessante essa iniciativa da Guinness. Eles sabem que o produto é eficaz e ajuda bastante, mas perceberam que a utilização dele faz com que o seu produto não chegue a todos seus possíveis clientes, limitando sua venda e expansão. Nada mais justo que buscar outras formas de filtrar a cerveja, coisas que sabemos que existem diversas formas, como as gelatinas sintéticas. É um custo no início mas que faz valer a pena para a marca.

E você, o que achou? É vegano(a)? Vai beber uma Guinness assim que possível? O que você acha dessas atitudes? E das atitudes da galera vegana? Vamos debater sobre 🙂

Beijo na alcatra.

Fonte: The Independent

Você também gostará desses

Cerveja Pilsner Urquell chega ao mercado brasileir... A primeira cerveja Pilsen do mundo, a Pilsner Urquell, entrará no mercado brasileiro oficialmente junto com a Miller Genuine Draft. A empresa SABMille...
O Rio, o futebol e a cerveja Cerveja agora está liberada nos estádios do Rio de Janeiro. Só falta o governador aprovar...
Bebida e Futebol A venda de bebidas está proibida dentro dos estádios brasileiros, mas com a Copa do Mundo a FIFA pensa em voltar atrás na decisão. O que você acha?...
Cervejaria recicla resíduos e produz energia para ... É a cerveja contribuindo com a sustentabilidade do planeta e o bem-estar mundial!
1842 – A cerveja mais antiga do mundo Historiadores descobriram no fundo do mar, em um navio, a cerveja mais antiga do mundo, a Stallhagen Historic Beer 1842. Reproduziram algumas garrafas...
Brahma Seleção Especial Uma cerveja produzida com cevada cultivada na Granja Comary, a Brahma Seleção Especial tem edição limitada e exclusiva para a Copa do Mundo 2014 no Br...