50 Tons de Tinder – Encontro 7

“Em seu sétimo encontro, Armando vai pra Lapa e depois de beber um bocado leva a número 7 pro motel, quase brocha, mas no final da noite foi tudo bem. Confira!”

Vote neste artigo:
SóbrioAlegrinhoSemi-modafocaModafocaTem futuroNo brilhoAlucinadoCom a alma no céuComa AlcóolicoJeremias - O Retorno (3 votes, average: 8.33 out of 10)
Loading...
468x60 - Acessorios

Me ame como puder / Como o amor te deixar / Não vou gastar / Meu tempo pra lamentar

Tal qual a canção “Delírio” da Roberta Sá, não sou exigente com o amor que me é oferecido. A vida é a arte da gambiarra, a capacidade de ser MacGyver e transformar a sucata em instrumento de salvação. A miséria é minha realidade quando se trata de amor recebido e isso nunca me incomodou, pois me viro com o que tenho.

Assista também:

Veja bem, leitor, eu não sou um exemplo de homem especial. Ao contrário do que pensam, falhei fervorosamente em todos os meus sonhos e hoje estou abaixo da mediocridade. “Quem é esse para querer algo especial?” – você pensa. Bem… sonhar me custa nada, só os erros. Então não reclamo do amor que me é entregue, mas isso não quer dizer que eu não queira algo melhor pra mim. A 7 tem esse perfil. Ela é especial.

Existe um fenômeno chamado “basic bitch” que vem infectando a mente de nossas meninas. As pessoas precisam se esforçar para serem especiais em algum ponto e, nos dias de hoje, gostar de Roberta Sá já é um diferencial.

O que é “basic bitch”?

Foda-se o seu ~tanquinho~

São essas meninas que parecem produtos industrializados, figurinhas repetidas, mais do mesmo: short jeans de cintura alta, camiseta solta, sutiã aparecendo do lado, tênis All-Star e carão para a selfie. Esse estilo é lindo, as mulheres ficam maravilhosas, mas é tão comum que se torna medíocre. É uma pena. São meninas com tanto potencial, mas que se camuflam num mar de pessoas iguais. Entre “X”s e corações existe um mar de meninas que repetem poses, citações e esbanjam falta de criatividade. Mas olha… é muito fácil ser crítico do outro. Difícil é se aceitar no espelho.

São três da manhã, estou na Lapa e meu corpo começa a falhar. Aumentei meus exercícios diários visando ganhar mais fôlego, mas só alcancei exaustão muscular. Recém feitos 31 anos e começo a sentir minha existência tombar como um programa de improvisação da Globo. Leandro Hassum emagreceu, Fábio Porchat afinou, André Marques virou sex symbol, mas nada salva a classe média desse bacon do rancor conhecido como barriga. A Sete curte meus beijos, mas toda vez que me afasto, vejo seus olhos descerem meu corpo e… sabe quando a comida é boa, mas você percebe que vai ter uma indigestão? É a mesma situação aqui. Sete vira um copo de cerveja e me convida para o motel. Eu não sei se é uma boa ideia, mas ninguém quer desperdiçar algo especial, né?

  • – Não tinha nenhum lugar melhorzinho?! – ela reclama do motel da Glória que sugeri.
  • – As suas sugestões eram mais caras que meu orçamento. Esse eu posso pagar.
  • – Se soubesse que me traria para um lugar tão insalubre, eu pagaria. Dane-se! Tira a roupa logo e vamos transar, Armando!

Em se tratando de ordens, sou ótimo em desobedece-las. Nasci pra subversão, não pra subserviência, o que por si só justifica mais da metade dos meus fracassos. Seguir ordens corta meu tesão e eu já não estou 100%.

mulher safada

  • – Vai rolar de tirar a roupa não, 7.
  • – Como assim, Armando? Quer transar de roupa?
  • – Se eu tirar a roupa eu vou brochar.
  • – Teu corpo é muito ruim sem roupa? Dá pra ver daqui que você é ruim, mas…
  • – Não é isso, 7! É que eu odeio receber ordens e você mandou eu tirar a roupa e…
  • – Você quer que eu mude a ordem? Eu mudo. Armando, fique de roupa!
  • – Agora ficou complicado porque se eu tirar a roupa, eu vou desobedecer essa ordem, mas a gente sabe que a ordem mesmo é de tirar a roupa então…
  • – Pera aí! Se tirar a roupa você brocha e se ficar de roupa você também brocha?
  • – Puta merda! Odeio dilemas morais! Brochei!
  • – Então… vamos embora antes que nos cobrem por esse quarto xexelento. Deve ter uns 15 minutos de tolerância
  • – Calma! – eu começo a tirar a roupa – Acho que tenho uma solução!
  • – Então ponha logo em prática, Armando!
  • – Se você continuar me dando ordem, as coisas não vão funcionar.
  • – Você quer o quê? Que eu implore?
  • – Seria pedir muito?
  • – Você teria que ser muito especial pra me fazer implorar.

Sete põe a roupa e sai do quarto num rompante. Um raio de tesão me atinge, fazendo o coração disparar e o sangue alcançar as extremidades de meu corpo. A desobediência é um afrodisíaco. Nessa hora a camareira entra no quarto e dá de cara com um Armando de cueca, duro e pra direita. Ela sorri com a felicidade de quem ganhou vinte reais na raspadinha. Não posso reclamar do amor que me é dado.

A vida é a arte gambiarra e eu sou o McGyver.

Você também gostará desses

O outro lado da moeda Beber demais às vezes pode ter seu lado ruim ruim, constrangimentos, pagação de mico, entre outros. Mas sempre tem um outro lado da moeda pra se aprov...
Juliana Problema: Capítulo 2 Segundo capítulo da novela Juliana Problema. Namorado conhece o temido pai. Pior que o poderoso chefão, mais temido que traficante da Rocinha. Confira...
Eu Tenho Duas Namoradas: Capítulo 1 A nova novela etílica do Papo de Bar conta uma história de um homem insaciável na cama e que desde moleque adora mulheres. Até que arrumou duas namora...
50 Tons de Tinder – Encontro 1 Armando conta como foi o seu primeiro encontro, sua primeira experiência trágica com uma mulher do Tinder. Confira!
Juliana Problema Juliana Problema, uma pequena novela de um namoro iniciado sem querer, por dois bêbados, é lógico, que iniciou numa balada e teve continuidade num mot...
50 Tons de Tinder – Apresentação Tudo vai bem num relacionamento, quando de repente, acaba tudo e temos que seguir na vida de solteirice. Pra isso temos a ajuda do aplicativo Tinder, ...

Compartilhe: