Juliana Problema: Capítulo 5

Havaiana sorrindoCréditos: Raquel Santana

Assim que cheguei ao luau, Juliana, trajando uma maldosa fantasia de havaiana, tirou o microfone do cantor que abusava na interpretação ao cantar Djavan – ou Jorge Vercilo, eu nunca sei a diferença.

  • – Gente, esse é o meu namorado! – imediatamente todos olharam pra mim, o único que estava de eterno e gravata naquela praia – Vejam como ele é um piquititito! Não é lindo de fofo?! Ele veio de terno! Fica calmo, piquititito, eu vou pegar um colar de flores pra você entrar no clima!
Homem de terno e colar havaiano

Tão olhando o quê?

Créditos: Bo Boswell

As pessoas continuavam olhando pra mim. O maldito cantor demorou a se recuperar da crise de riso, por isso, pude ouvir toda festa comentando e rindo do único convidado que estava vestido como um segurança.

Juliana veio com as flores, me botou no clima do luau, e, logo em seguida, deu um beijo. Os convidados – todos falsos – bateram palmas. Eu olhei em volta com a cara de quem diz “Durmam com essa, seus merdas!”. Antes que Juliana falasse algo, comentei com ela sobre o apelido vergonhoso:

  • – Porra, Juliana! “Piquitito” não é um apelido para um homem da minha estatura e porte físico! – maneira carinhosa que criei para me chamar de “gordo”.
  • – Ah, benzinho, não fica assim. Aliás, não é “piquitito”, é “piquititito” – ela, incrivelmente, se justificando
  • – Ainda que fosse “piquitão”, tá aí um apelido que não é maneiro! Que tal me chamar de “Montezuma Carnal”? Tá aí algo que daria uma impressão melhor.
  • – Piquititito, não viaja na maionese! – resolvi ficar calado, afinal de contas, quem fala “viajar na maionese” não atualizou o caderninho de gírias desde 1997

Chefe pilantra…

Boneco do Mr Bburns

Quequeque...

Créditos: kingkong21

Juliana me apresentou para boa parte da festa, até o momento que dou de cara com meu chefe. Vestindo uns três colares de flores, sandália com meia preta, pochete, bermuda acima do joelho e camisa regata, ele conseguiu estar mais ridículo do que eu.

  • – Sabe, Juliana, seu namorado é um dos meus melhores funcionários – meu patrão, como bom advogado, nunca teve medo de mentir – tanto que vou adiantar a notícia de que ele será promovido e receberá um generoso aumento.
  • – Duvido!!! – soltei sem pensar
  • – Como?! – meu chefe perguntou assustado
  • – Divino! Eu disse “divino” – não consegui fugir da cara de reprovação do meu chefe e de sua mulher
  • – Juliana, posso tomar seu namorado emprestado? – ela aceitou, e meu patrão e eu nos afastamos delas – Sabe, “piquititito” – ele falou de sacanagem – o pai da Juliana é um grande cliente nosso e tem muita grana. Com apenas 30% das contas dele, eu consigo ser rico, imagina se a gente se juntar e pegar tudo? Eu te boto como sócio e você leva uma boa grana.
  • – Ah, é? Agora você quer o “piquititito” pra ajudar? Vou te contar uma coisa: pra você, eu sou “piquitão”! Segura essa, malandro de carpete! – confesso que desabafei os anos de salário atrasado e de horas extras não recebidas
  • – Porra, moleque, se tu me sacanear, eu acabo com a sua vida!
  • – Olha, eu quero ser sócio a partir de segunda-feira, ou vou tirar os 30% que te deixam rico! E mais: se vier de gracinha, boto os capatazes do meu sogro pra correrem atrás de você – esse sou eu tirando onda de picudo, mesmo sendo piquititito.
  • – Segunda nós conversamos – meu chefe respondeu meio contrariado, mas com cara de quem iria dar o braço a torcer.

O pai de Juliana chega e meu patrão começa a rasgar seda pra mim. Irritado com toda aquela falsidade, meu sogro, que não é bobo, dá um corte na conversa:

  • – Olha, doutor, menos. Vamos parar com esse papo – eu, atrás do sogro, olho pro meu chefe e faço o gesto como quem avisa o papel de ridículo.

Piquitito é o car$%#$%#…

Velho mafioso

E ae piquitito...

Créditos: Bol @ work

A conversa não rende e o pai de Juliana me leva para conversar:

  • – Sabe, piquititito – ele falou de sacanagem -, teu chefe cuida de 10% dos meus negócios. Ele provavelmente vai querer que você interceda para favorecê-lo. Não caia nessa – o tom de aviso estava claro.
  • – Vou falar uma coisa: por mim, eu fodia esse marmanjo. Sacaneia os empregados, trata todo mundo mal, é mentiroso. E tem mais: os funcionários ficam putos com os salários e não defendem direito suas empresas, o pessoal deixa a Justiça meter o pau em você – de certa maneira, era uma verdade, mesmo que só minha.
  • – É mesmo?! – eu confirmei com a cabeça – Sabe, piquititito – ele falou de sacanagem -, tu é escroto, mas tem personalidade. Gosto disso.

Meu sogro contou seus planos, prometeu um trabalho num escritório melhor, onde eu receberia um salário decente. Disse, também, que não queria a filha namorando um “moleque fodido”. Brindamos.

  • – Sabe, piquititito – ele falou com carinho -, tu é muito ruim, mas tem um lado bom. Já pensou em ser desembargador? – meus olhos brilharam.

“Bendita seja Juliana” – eu pensava.

Veja os capítulos anteriores

Veja os próximos capítulos

Você também gostará desses

Juliana Problema: Capítulo 2 Segundo capítulo da novela Juliana Problema. Namorado conhece o temido pai. Pior que o poderoso chefão, mais temido que traficante da Rocinha. Confira...
Juliana Problema: Capítulo 7 Sétimo capítulo da novela etílica, Juliana Problema. A caminho do trabalho, pensando que já estava demitido, fudido, recebe uma surpresa bem agradável...
Cafajeste Mais um papo de cafajeste, envolvendo mulheres, traições, amigas de mulheres, provocações, papo sobre sexo, bebidas e um final inesperado nessa saga.....
Era uma vez o acabado – 4 Moya vai a um boteco pé sujo beber e ouvir algum tipo de música, quando encontra uma mulher mais velha, triste e enchendo a cara. Os dois bebem conver...
50 Tons de Tinder – Encontro 5 Eis que no seu quinto encontro com uma "tinderete", Armando consegue uma proeza dentro de um ônibus a caminho de Niterói. Confira o final dessa magníf...
Foliões – Parte 3 No terceiro episódio Armando encontra sua ex com outro ex dela num bloco na Quinta da Boa Vista. Um bocado de confusão ocorre. Confira!