Juliana Problema

Casal e garrafa de vodka

Meu namoro com Juliana durou 6 meses e, apesar de tudo – “apesar de tudo” mesmo -, até que o relacionamento era mais ou menos. As brigas sempre nos afastavam e, com isso, vinham as infidelidades – que me ajudavam a não deixar a chama do amor se apagar. Por outro lado, os meus sogros e os dela, diziam que, para o bem da minha namorada, o melhor seria ela voltar a ser solteira. Pensando bem, o namoro nem era tão bom assim.

Chegando duro, mostrando pra que veio…

Juliana sempre foi uma daquelas “gostosinhas”. Baixinha, cabelo comprido, loirinha e com corpinho de dançarina do “É o Tchan”, ela era do tipo que qualquer homem faria qualquer coisa para ter qualquer chance com ela. Eu resolvi jogar duro, e entrei pesado nessa história.

Comecei a namorar Juliana no dia em que a conheci. Aquela menininha, linda, no auge dos seus dezenove aninhos, passara a noite inteira dispensando pretendentes e urubus que tentavam a sorte naquela boate. Por conta disso, minha primeira medida para criar coragem e “atacar” a presa foi virar três doses da melhor tequila da casa.

Grande tequila, grande loirinha

Boneca loira com chifres e uma garrafa de tequila

Duas danadas...

Créditos: Mike Quest

Assim que me aproximei daquela loirinha, pensei em acender um cigarro. Quando viu a chama do meu isqueiro Zippo, Juliana ameaçou minhas chances com uma cara de nojo. Imediatamente desisti da idéia e abordei a menina:

  • – Quer saber?! Vou parar de fumar agora!
  • – Faz bem! – respondeu Juliana
  • – Você nem imagina como faz bem!
  • – Imagino sim, sou estudante de Educação Física.
  • – Eu sou médico, oncologista, cuido de crianças… – meu lado advogado e loroteiro nunca pensou direito
  • – Que lindo!! – gritou Juliana

Passamos a noite conversando. Sempre que ela buscava entrar em qualquer assunto que envolvesse meu trabalho de mentira, dizia que falar sobre o trabalho era meio triste, “porque você sabe, né? Criança doente dá um aperto no coração!”

Nunca fiz isso antes…

Juliana se encantou e me deixou pagar uns drinques. Não sei explicar com exatidão o que aconteceu, mas eu parei num quarto de motel com a loirinha.

  • – Olha, eu sou nova nisso tudo. Você vai ser meu primeiro homem. – a ordinária achava que eu acreditava nessa conversa
  • – Juju, – eu já tinha intimidade – qualquer mulher que me faça parar de fumar é uma rainha em minha vida.
Placa com indicações para namoro e putaria

Grande questão a ser respondida...

Créditos: JeCarolzinha

Aparentemente, o álcool estava funcionando de maneira mais forte no cérebro de Juliana do que no meu. Não só a pequena rapariga acreditou na minha conversa fiada, como dormiu comigo, abraçadinha. Dentro de mim, existia apenas um pensamento: “Caralho, quando eu contar pros meus amigos…”

Sempre tem um dia seguinte

No dia seguinte, Juliana acordou com uma energia imensa. Antes mesmo de permitir que eu abrisse os olhos, a pequena rapariga fez uso do caríssimo serviço de quarto e, por uma bagatela de oitenta reais, adquiriu o café-da-manhã  por: um quarto de mamão papaia, dois sucos de laranja em pó, meia margarina do pessoal da limpeza e 3 torradas velhas.

  • – Veja, amor! Para comemorar nossa primeira noite de namoro. Paga hoje que depois eu acerto com você. – dizia Juliana enquanto me dava um beijo na bochecha.
  • – Namoro?
  • – Não lembra ontem de noite, amor?
  • – Lembro, mas você poderia recapitular pra mim a parte que eu perdi.

Juliana, achando que eu estava brincando, riu do que eu disse. Mais sorridente era o menino do serviço de quarto, que não só ria de mim pelado, como da conta que mais tarde eu pagaria.

Terminado o “majestoso” café-da-manhã, Juliana me solta a maior das pérolas:

  • – Meu pai já mandou seu motorista e o segurança vir nos buscar, ele disse que quer muito lhe conhecer.

Nessa hora, apesar de todo o calor da cama, senti um frio subir a espinha e encolher toda a minha hombridade.

To be continued…

Veja os próximos capítulos

Você também gostará desses

O Cafajeste Inexperiente: Capítulo 7 Nosso canalha volta a ativa em grande estilo. Depois de ser esculachado no blog da Talita, ele consegue dar a volta por cima numa grande ideia. Confir...
Foliões – Parte 3 No terceiro episódio Armando encontra sua ex com outro ex dela num bloco na Quinta da Boa Vista. Um bocado de confusão ocorre. Confira!
Cachaça com sushi Imagine você ganhar um noite num restaurante japonês e não conseguir chamar nenhuma mulher. Mas somos brasileiros e não desistimos nunca, acontece uma...
Rufião – O Rei do Rio: Capítulo 9 Confira o nono capítulo da novela etílica: Rufião - O Rei do Rio. Eis que Armando vai pra uma suruba com sua mulher e alguns políticos. Eis que de rep...
Eu Tenho Duas Namoradas: Capítulo 1 A nova novela etílica do Papo de Bar conta uma história de um homem insaciável na cama e que desde moleque adora mulheres. Até que arrumou duas namora...
50 Tons de Tinder – Encontro 5 Eis que no seu quinto encontro com uma "tinderete", Armando consegue uma proeza dentro de um ônibus a caminho de Niterói. Confira o final dessa magníf...